O maior problema dos jovens de Famalicão não é o MP

Dizer que o programa da disciplina de Cidadania, que transmite aos jovens valores consagrados na Constituição como a igualdade de género ou o respeito pela diversidade racial ou sexual, deve ser aplicado em exclusivo pelos pais merece reflexão e crítica

As reacções às alegações do Ministério Público sobre o caso dos dois jovens de Famalicão proibidos pelos pais de frequentar as aulas obrigatórias de Cidadania expressam a compreensível e desejável prevalência do domínio íntimo das relações familiares sobre as tentativas de ingerência do Estado. Quem tem o direito de escolher a melhor forma de educar os filhos são os pais, não é o Estado. Estamos de acordo.

Sugerir correcção
Ler 157 comentários