17.500 dias em liberdade, mais um do que durou a ditadura: “Devíamos orgulhar-nos do caminho que temos feito”

O 25 de Abril foi um “dois em um”: um golpe militar e outro de “genialidade”, afirma Matos Gomes. O capitão de Abril, a presidente da EGEAC e o deputado Bernardo Blanco debateram o significado da Revolução e o futuro da democracia.

Foto
O debate “24 de Março, o dia em que a democracia ultrapassa a ditadura” contou com três oradores de idades e percursos diferentes Rui Gaudêncio

A Revolução dos Cravos foi um golpe militar e um “golpe de genialidade”. Feita e consolidada a transição democrática, é preciso trabalhar, pensar e lutar pela democracia. No dia em que o país cumpre 17.500 dias em liberdade, mais um do que os que durou a ditadura, os participantes de um debate organizado pelo PÚBLICO reflectiram sobre o que Abril significa para o país, o que trouxe e os desafios que se seguem.​

“O 25 de Abril é um dois em um”, começa por explicar o coronel Carlos Matos Gomes. “É um putsch militar, com o objectivo de alterar o regime que existia, que era uma ditadura militar. E esse putsch traz à sociedade a liberdade, porque o regime de ditadura é derrubado. E no dia 25 há também um golpe de genialidade de Otelo Saraiva de Carvalho, [porque] o povo entra no processo político”, explica o capitão de Abril.

Joana Gomes Cardoso, presidente da EGEAC Rui Gaudêncio
Coronel Carlos Matos Gomes, capitão de Abril Rui Gaudêncio
Bernardo Martinho Blanco, deputado eleito pela Iniciativa Liberal Rui Gaudêncio
Fotogaleria
Rui Gaudêncio

Esta quinta-feira, no auditório do PÚBLICO, em Lisboa, o coronel uniu-se a Joana Gomes Cardoso, presidente da EGEAC, que gere a cultura em Lisboa, e Bernardo Blanco, deputado à Assembleia da República da Iniciativa Liberal (IL), numa conversa moderada pelo director do jornal, Manuel Carvalho.

Num painel composto por oradores com diferentes formas de ver (e viver) o 25 de Abril, diferentes percursos e idades, o mais novo, Bernardo Blanco, defendeu que esta quinta-feira é, antes, “o dia em que passamos a ter mais dias sem ditadura do que com ditadura”, já que “o que aconteceu em 1974/75 não é aquilo que conhecemos como o conceito de democracia ocidental que vivemos hoje”.

“Só em 76 começou a haver uma consolidação democrática maior, sendo que várias liberdades só depois foram surgindo. Houve uma rejeição da ditadura e a introdução do pluralismo”, diz, concluindo que todas as “turbulências revolucionárias” que se registaram imediatamente pós-25 de Abril fizeram (e fazem) “parte do processo da conquista da democracia”.

Para Joana Gomes Cardoso, abordar o tema da revolução é, inerentemente, falar numa perspectiva cultural. “Todas as desculpas são boas para falarmos e pensarmos no 25 de Abril num sentido alargado. Falando sobre a área da cultura, o que tentamos [EGEAC] é falar do 25 de Abril todos os dias do ano, ter uma programação que faz homenagem aos heróis e a todas as pessoas anónimas, e pensar no que ficou e no que está por cumprir”, disse.

Para a presidente da AGEAC, “não podemos ter por garantidos a habitação, o emprego e, neste momento, nem a paz nem a democracia. A própria democracia é algo que temos que trabalhar constantemente”. Já para Bernardo Blanco, a chave está em “celebrar o passado”, de forma a “corrigir o presente, porque há um futuro ainda melhor para viver”. Apesar de gostar do sistema democrático em que o país vive, “há muitas falhas”, disse o deputado liberal.

“O sistema democrático em que vivemos é aquele em que quero viver, mas temos que ser mais exigentes. Há muito conformismo, às vezes... Acho que há muitas falhas, muita abstenção nas eleições. Todos sabemos que o nosso presente não é ideal para a minha geração”, partilhou o jovem.

Na tentativa de analisar e explicar o atraso no desenvolvimento do país, o coronel Matos Gomes respondeu, de imediato, que “Portugal tem um problema de desenvolvimento quase desde a fundação”, mas que o país não tem “nenhum gene de subdesenvolvimento”, disse. Justificou este atraso com a posição geográfica de Portugal, a soberania do país relativamente a Inglaterra e a supressão exercida pela Igreja católica.

Em resposta, Joana Gomes Cardoso afirmou que “há uma certa autoflagelação portuguesa que nem sempre beneficia o país”, acrescentando que, a nível democrático, Portugal “não está tão mal assim”. No entanto, mostra-se preocupada com os valores crescentes de abstenção, assim como o deputado da IL, opondo-se ao pensamento do coronel Matos Gomes, a quem esta questão “não preocupa nada”.

Num debate em que se abordou superficialmente a instauração do voto obrigatório, o mais velho e o mais novo dos oradores partilham da mesma opinião: “Não quero ter nenhuma punição por não votar. O que quero é que me apresentem propostas suficientemente apelativas que me levem a sair de casa”, afirmou Matos Gomes. Bernardo Blanco completa: o importante seria “mostrar primeiro que o voto é importante”.

Foto
Na plateia estiveram presentes cerca de 30 pessoas Rui Gaudêncio

“Independentemente​ de todas as críticas à revolução e ao processo”, concluiu Joana Gomes Cardoso​, “é inegável que existiu uma coragem física e intelectual naquele dia [25 de Abril]”. A Europa e Portugal “estão cheios de problemas, mas devíamos orgulhar-nos do caminho que temos feito até aqui”.

Sugerir correcção
Comentar