Rocha Andrade: uma “mente luminosa” e “um dos melhores quadros” do PS

O ex-deputado e antigo secretário de Estado dos Assuntos Fiscais morreu esta segunda-feira, vítima de cancro do pâncreas. Socialistas recordam a sua “transparência”, “bom-humor” e contribuições políticas.

Foto
Fernando Rocha Andrade dividiu a vida entra a Universidade de Coimbra e os corredores de São Bento Enric Vives-Rubio

Um político “bem-preparado”, de “uma inteligência brilhante” e que tinha tanto de “desempoeirado” como de “bem-humorado”. O perfil in memoriam do antigo secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, Fernando Rocha Andrade, é traçado quase em uníssono, com base nos profundos elogios feitos por aqueles que com ele se cruzaram na Assembleia da República e nos corredores do Governo nas duas últimas décadas, tanto dentro, como fora do PS. As reacções chegaram durante a tarde, pouco depois de ser conhecida a morte do antigo governante, que a 19 de Fevereiro tinha feito 51 anos. Rocha Andrade morreu esta segunda-feira, na sua residência em Aveiro, vítima de cancro do pâncreas.

Sugerir correcção
Ler 1 comentários