Palcos da semana

Artistas Unidos numa Obstrução, Uma Dança das Florestas pelo Griot, Alceu Valença a solo, o NANT em novas danças e Nogueira nos cinemas.

danca,musica,setubal,braga,coimbra,lisboa,
Fotogaleria
Depois do Medo vai estar em exibição nos cinemas João Sena Goulão
,OBSTRUÇÃO de Dimítris Dimitriádis
Fotogaleria
Obstrução é a nova peça dos Artistas Unidos Jorge Gonçalves
danca,musica,setubal,braga,coimbra,lisboa,
Fotogaleria
O Que Não Acontece, de Sofia Dias e Vítor Roriz, faz parte do festival NANT Filipe Ferreira
danca,musica,setubal,braga,coimbra,lisboa,
Fotogaleria
O Teatro Griot estreia Uma Dança das Florestas Mónica de Miranda
danca,musica,setubal,braga,coimbra,lisboa,
Fotogaleria
Alceu Valença vem dar sete concertos DR

Depois do Medo, o grande ecrã

O aviso veio logo na sinopse: Depois do Medo trata “questões que só incomodam pessoas que têm demasiado tempo livre, podendo concluir-se à partida que o mundo, tal como o conhecem, vai ficar exactamente igual”. A verdade é que tudo mudou desde que, em Fevereiro de 2020, Bruno Nogueira fez história no stand-up nacional, ao esgotar a Altice Arena com este espectáculo – e longe de imaginar que as portas se fechariam em massa logo a seguir, com a chegada da pandemia. Do palco, o espectáculo saltou para o streaming. Também deu origem a um documentário. Agora, segue para os cinemas, em três dias de sessões espalhadas pelo país, para projectar problemáticas tão intrigantes e essenciais como a “das pessoas que, sem terem nada na boca, mastigam quando estão a olhar para alguém a comer”.

Depois do Medo João Sena Goulão
Depois do Medo João Sena Goulão
Depois do Medo João Sena Goulão
Depois do Medo João Sena Goulão
Depois do Medo João Sena Goulão
Fotogaleria
João Sena Goulão

Uma Obstrução em estreia

Os Artistas Unidos voltam à obra de Dimítris Dimitriádis – que abordaram, no ano passado, n’A Circularidade do Quadrado – para levar à cena uma peça experimental, assente em textos inéditos do autor grego. Todos partem de figuras da mitologia helénica, de Narciso a Tântalo. Mas o objectivo “não é voltar a falar do passado, é questionar o presente”, sublinha o grupo. O encenador, Jorge Silva Melo, descreveu-os à Lusa como “ensaios sobre o desejo” que lançam interrogações sobre a forma como ele “irrompe como o grande espaço da liberdade”. André Loubet, Diogo Freitas, Simon Frankel, Pedro Caeiro e Pedro Lacerda compõem o elenco.

Novos tempos para o corpo

Há dez anos a Dar o corpo ao manifesto, o festival viseense NANT adopta este lema em 2022 e dá novo sentido ao acrónimo: até aqui, significava New Age, New Time; agora, vem rebaptizado de Novas Acções, Novos Tempos, em sintoniza com os “tempos transformadores que vivemos”, anuncia na nota de intenções. O foco mantém-se: celebrar a dança com criações recentes de coreógrafos emergentes e veteranos. Jonas & Lander abrem a função com o híbrido Bate Fado, enquanto Vera Mantero fecha a cortina com O Susto É o Mundo. Entre eles, apresentam-se Mário Afonso com Framework, Sara Anjo e Madalena Palmeirim com As Estrelas Lavam os Teus Pés (para crianças), Piny com Hip. A Pussy Point of View, Sofia Dias e Vítor Roriz com O Que Não Acontece e Guillem Mont de Palol e Miguel Pereira com Falsos Amigos. Fora do palco, há documentários, um workshop e conversas com os artistas.

Florestas devoradoras

O Teatro Griot prepara-se para estrear uma peça enraizada na obra do escritor nigeriano Wole Soyinka, o primeiro autor africano a ser galardoado com o Nobel da Literatura, em 1986. É Uma Dança das Florestas que funciona como “metáfora botânica devoradora do sentido do mundo”, refere a nota de imprensa do São Luiz, que co-produz o espectáculo com a companhia. Centra-se em “dois espíritos dos mortos inquietos que trazem consigo as feridas de um outro tempo e confrontam os seus carrascos num estranho ritual de morte, expiação, desobediência e renascimento”, acrescenta. Com encenação e dramaturgia de Zia Soares, é interpretada por Ana Valentim, Cláudio Silva, Gio Lourenço, Júlio Mesquita, Matamba Joaquim, Miguel Sermão, Rita Cruz e Vera Cruz. Da música encarrega-se Xullaji.

Alceu num roteiro a solo

No ano passado, o brasileiro Alceu Valença acrescentou à já longa carreira de mais de 50 anos (e também aos milhões de visualizações online) uma série de álbuns acústicos. É inspirado nestes discos que regressa a Portugal, para sete datas em seis cidades, com um espectáculo a solo onde revisita as suas canções (e também alheias) em versões despidas para voz e guitarra, naquilo que descreve como um “roteiro cinematográfico”. Entre elas estão La Belle de Jour, Anunciação, Tropicana, Ladeiras e Sabiá. Ao lado, surgem novidades como Era Verão ou Sem pensar no amanhã. Para abrir os concertos, foi convidada a cantautora colombiana-mexicana (radicada em Lisboa) Mari Segura, que tem em Piano, piano o EP cartão-de-visita.

Sugerir correcção
Comentar