“E porque não uma ópera escrita, composta, produzida e cantada em Vila Real?”

Mátria, inspirada em Miguel Torga, estreia-se esta sexta-feira na capital transmontana. Escrita por Eduarda Freitas e com música de Fernando C. Lapa, é uma ópera feita a pensar na comunidade e no imaginário da região.

opera,unesco,douro,teatro,culturaipsilon,musica,
Fotogaleria
O barítono Job Tomé, ao espelho, é Rodrigo Paulo Pimenta
opera,unesco,douro,teatro,culturaipsilon,musica,
Fotogaleria
Em Mátria canta-se Miguel Torga Paulo Pimenta
opera,unesco,douro,teatro,culturaipsilon,musica,
Fotogaleria
Produção reúne dois coros, um profissional, outro amador Paulo Pimenta
opera,unesco,douro,teatro,culturaipsilon,musica,
Fotogaleria
A soprano Regina Freire faz par com o tenor Paulo lapa Paulo Pimenta
opera,unesco,douro,teatro,culturaipsilon,musica,
Fotogaleria
Encenador espanhol Àngel Fragua está radicado em Portugal desde 2001 Paulo Pimenta
opera,unesco,douro,teatro,culturaipsilon,musica,
Fotogaleria
Àngel Fragua fundou o Peripécia Teatro, em Vila Real Paulo Pimenta
opera,unesco,douro,teatro,culturaipsilon,musica,
Fotogaleria
Job Tomé é Rodrigo, protagonista de Mátria Lino Silva
opera,unesco,douro,teatro,culturaipsilon,musica,
Fotogaleria
Os figurinos de Mátria foram desenhados por Cláudia Ribeiro Lino Silva

A produção apresenta-a como “a primeira ópera criada em Trás-os-Montes e Alto Douro”, inspirada em Miguel Torga. Mátria estreia-se esta sexta-feira, às 21h30, no Teatro de Vila Real, para um primeiro ciclo de três récitas (também sábado e domingo), integrado nas celebrações dos vinte anos da inscrição do Douro na lista do Património da Humanidade da UNESCO.

Sugerir correcção
Comentar