Uma crise inadiável

Mais do que negociar, dois partidos que mirraram nas autárquicas e caem nas sondagens querem governar.

Aconteça o que acontecer com o Orçamento, a crise está aí e só por hipocrisia ou cinismo se pode acreditar que ela se supera com uma mera mudança táctica no sentido de voto do Bloco ou do PCP. Depois de ano e meio de privações, perante a incerteza sanitária do futuro próximo ou os riscos da conjuntura económica que se agravam a cada dia, a crise nasceu e prosperou, porque o modelo de convivência à esquerda se esgotou. E esgotou-se, porque a esquerda da esquerda constatou que não pode continuar a ser um apêndice do Governo. Quer governar por interposto partido.