Englobamento pode ditar subida ao último escalão e agravar IRS

Englobamento das mais-valias “especulativas” é obrigatório para quem ganha mais. Bancos vão calcular saldo e comunicá-los aos contribuintes para simplificar a declaração de rendimentos.

Foto
A nova obrigação abrange as mais-valias de acções ou obrigações detidas há menos de 365 dias Eduardo Munoz

O englobamento das mais-valias mobiliárias, que a partir de 2022 será obrigatório para os contribuintes do último escalão de rendimentos, vai ditar um agravamento do IRS dos investidores mais endinheirados que apostam em ganhos de curto prazo, seja em acções ou obrigações mais especulativas em que uma pessoa detenha durante menos de 365 dias. Para quem está na fronteira entre o penúltimo e o último escalão, a nova regra poderá mesmo ditar uma subida ao patamar de rendimentos mais altos.