“Condicionamento” e “asneira”: cinco deputados do PS criticam artigo dos selos de qualidade contra fake news

Lacão, Sousa Pinto, Perestrello, Bacelar de Vasconcelos e Ascenso Simões votaram contra o PS pela revogação do artigo polémico.

Mário Soares
Fotogaleria
Sérgio Sousa Pinto,Sérgio Sousa Pinto Nuno Ferreira Santos,Nuno Ferreira Santos
redes-sociais,internet,media,politica,ps,imprensa-,
Fotogaleria
Jorge Lacão NUNO FERREIRA SANTOS / PUBLICO
redes-sociais,internet,media,politica,ps,imprensa-,
Fotogaleria
Ascenso Simões daniel rocha
redes-sociais,internet,media,politica,ps,imprensa-,
Fotogaleria
Pedro Bacelar Vasconcelos Nuno Ferreira Santos
redes-sociais,internet,media,politica,ps,imprensa-,
Fotogaleria
Marcos Perestrello Nuno Ferreira Santos

Na terça-feira, cinco deputados socialistas com considerável peso político na bancada votaram desalinhados do seu partido na questão da Carta Portuguesa dos Direitos Humanos na Era Digital e a favor da revogação do artigo 6.º, que dá a entidades privadas o poder de certificarem o que é desinformação e de darem selos de qualidade, proposta pela Iniciativa Liberal (IL) e pelo CDS. Mas Jorge Lacão, Sérgio Sousa Pinto, Marcos Perestrello, Pedro Bacelar de Vasconcelos (que se absteve na proposta da IL) e Ascenso Simões fizeram mais do que isso: entregaram declarações de voto em que classificam a insistência do PS em manter o artigo e os ditos selos como uma “forma de condicionamento ou constrangimento da liberdade de expressão” e até mesmo como uma “asneira”.