Os cuidados de enfermagem precisam de enfermeiros que investiguem

Reconhece-se atualmente que a enfermagem é também uma ciência, onde o conhecimento precisa de ser continuamente produzido e atualizado.

Foto
Unsplash/CDC

Há “porque's” quando se trata de compreender as razões pelas quais a investigação tem de fazer parte da vida dos enfermeiros:

1) Porque os cuidados precisam de mais enfermagem

Em termos históricos, quando se procura a génese dos Cuidados de Enfermagem, a literatura evidencia que os cuidados aos outros sempre existiram, pois desde que existe vida existem cuidados, sendo esta uma condição essencial para que a vida possa permanecer. A presença e expansão da espécie humana no planeta só foram possíveis porque houve sempre alguém que cuidou do outro.

O primeiro cuidado é um cuidado genérico muito influenciado pela cultura de cada povo, pois sempre houve necessidade de cuidar das crianças, das mulheres em trabalho de parto, dos que padeciam de doenças, das pessoas que perdiam a capacidade de cuidar de si próprias de forma permanente ou quando a idade lhes retirava essa capacidade de autocuidado. Este cuidado genérico, muito voltado para dentro do grupo social, foi ao longo dos séculos adquirindo outras configurações e intencionalidades, como é o caso das Diaconisas e das Ordens Religiosas, que se dedicavam ao cuidado do outro, por amor a Deus ou por puro altruísmo e compaixão.

Mas, em meados do século XIX, Florence Nightingale operou uma revolução paradigmática na prestação de cuidados aos outros, organizando-os em torno de um forte espírito de serviço, alicerçando-os num processo de formação teórica e prática, certificando-os com um diploma, permitindo o exercício de uma profissão remunerada e regulada. 

2) Porque a enfermagem precisa de mais conhecimento

Com as bases da profissão lançadas por Nightingale, assistiu-se, nos últimos 125 anos, a um movimento crescente de produção de conhecimento de enfermagem para sustentar o cuidado profissional prestado pelos enfermeiros.

Durante a primeira metade do século XX, os saberes de enfermagem que eram ensinados, muito baseados na tradição, tinham uma inspiração biomédica e centrada na doença. Ao entrarem na academia os enfermeiros foram desafiados a realizarem investigação significativa, centrada em modelos e teorias de enfermagem capazes de orientar a prática dos cuidados de enfermagem à pessoa sã ou doente enquanto ser biopsicossocial e cultural, o que conduziu inevitavelmente à produção de conhecimento.

3) Porque o conhecimento resulta da investigação

Reconhece-se atualmente que a Enfermagem é também uma ciência, onde o conhecimento precisa de ser continuamente produzido e atualizado, para que possa ser um guia do pensamento crítico, necessário àquela prática profissional.

Durante a licenciatura em Enfermagem, os estudantes desenvolvem já competências de investigação, numa perspetiva de consumidores críticos dos resultados de investigação.

A realização do mestrado em Enfermagem Avançada permite a continuidade de estudos, onde o enfermeiro utiliza o conhecimento disciplinar disponível e o método científico, para investigar os contextos de trabalho e as respostas humanas potencialmente sensíveis aos cuidados de enfermagem, por forma a expandir o conhecimento disciplinar, as competências de tomada de decisão dos enfermeiros e consequentemente as propostas terapêuticas de enfermagem.