Um pai nunca deixou de procurar o filho, raptado aos 2 anos. E, 24 anos depois, encontrou-o

Xinzhen foi levado por uma mulher, em 1997, quando brincava na rua, junto à sua casa. Sem nunca desistir, o pai percorreu cerca de meio milhão de quilómetros de motocicleta.

Foto
Reuters/CHINA DAILY

Shi Gu, de Peng Sanyuan​, estreado em 2015 e distinguido com vários prémios em festivais de cinema na China, nunca chegou às salas nacionais. Se tivesse acontecido, já conheceríamos a épica busca de um homem por um filho perdido. O que poderíamos não perceber de imediato é que o personagem a quem a superestrela Andy Lau deu corpo nesse filme (e, um detalhe, sem cobrar honorários) é inspirado numa pessoa real, Gangtang Guo, de 51 anos, e na sua odisseia sofrida, de uma busca incessante pelo filho que, aos 2 anos e meio, foi raptado

Até ao último domingo, dia em que, depois de longos 24 anos, Gangtang e a mulher reuniram-se com o filho perdido, Xinzhen, em Liaocheng, no Nordeste do país​.

As câmaras não pararam de disparar e de filmar, mas, segundo a CCTV, a estação televisiva controlada pelo Governo chinês, nenhum dos três deixou que aquelas interferissem com o momento: “Meu bebé, voltaste”, desabafou a mãe, enquanto o pai, a chorar, enterrou a cabeça no ombro do jovem.

Xinzhen foi levado por uma mulher, a 21 de Setembro de 1997, quando brincava na rua, junto à sua casa em Liaocheng. Tinha dois anos e meio. No mês que se seguiu, o pai perdeu 20 quilos e viu o cabelo ficar completamente branco. Só que o homem não estava disposto a desistir: imprimiu a fotografia do filho e fez panfletos com algumas informações básicas, partindo pelo país em busca de uma pista.

Nas últimas duas décadas, conta o South China Morning Post, Gangtang percorreu cerca de meio milhão de quilómetros de motocicleta (passaram-lhe dez motas pelas mãos), dormiu debaixo de pontes, enfrentou ladrões, foi obrigado a pedir esmola. Chegou, até, a ponderar o suicídio. Mas algo o impelia a voltar a procurar: “Só na estrada, me sinto pai”, disse ao Qilu News, em 2015, lembra o Morning Post

Segundo um trabalho de investigação do The Washington Post, publicado em 2017, centenas de milhares de crianças desapareceram na China ao longo das últimas quatro décadas. Mas, nos últimos anos, os funcionários governamentais começaram a intensificar os esforços para encontrar vítimas e processar os seus raptores. De acordo com os dados oficiais, nos últimos cinco anos foram encontradas milhares de crianças. Desde o início do ano passado, a investigação de casos de rapto foi acelerada: desde então, foram encontradas 2609 vítimas e detidos 372 suspeitos.

No caso da família Guo, há duas pessoas detidas, acusadas de rapto, informou, na terça-feira, o Ministério da Segurança Pública: a mulher que terá levado Xinzhen e o namorado, que terá vendido o rapaz. Porém, as autoridades não divulgaram informações sobre como identificaram os suspeitos nem como chegaram à conclusão que este era o rapaz desaparecido há 24 anos.

Andy Lau deixa uma sentida mensagem ao homem que serviu de inspiração ao seu personagem de 2015

No ano passado, foi amplamente divulgada outra história de final feliz: o reencontro de ​Yin Mao com os pais ao fim de 32 anos. Yin também foi raptado aos 2 anos e vendido.