Com a ajuda da UE, Governo promete investimento público ao nível pré-troika

Fundo de recuperação europeu, novas poupanças com juros e despesa corrente a crescer menos que o PIB são, no papel, a receita do Governo para reduzir o défice ao mesmo tempo que aumenta o investimento público

Foto
Reuters/PEDRO NUNES

O desaparecimento das medidas de emergência anti-covid logo a partir de 2022, um crescimento da despesa com pessoal abaixo do PIB, a continuação da tendência de poupança com juros e a entrada em larga escala de fundos europeus sob a forma de subvenções são algumas das principais explicações para que o Governo esteja a projectar reduzir o défice de 5,7% para 1,1% no espaço de cinco anos, diminuindo ao mesmo tempo a carga fiscal e aumentando o peso do investimento público para os níveis mais altos desde a chegada da troika ao país, há 10 anos.