Ex-bastonário dos Dentistas apontado como candidato do Chega à Câmara do Porto

Orlando Monteiro da Silva é o segundo candidato à corrida, onde já está formalmente Vladimiro Feliz, pelo PSD. Espera-se que Rui Moreira se recandidate para o terceiro mandato.

Foto
Orlando Monteiro da Silva, ao centro, quando era presidente do Conselho Nacional das Ordens Profissionais, em 2017. LUSA/João Relvas

Natural do Porto e antigo bastonário da Ordem dos Médicos Dentistas, Orlando Monteiro da Silva, é apontado como o candidato à presidência da Câmara do Porto pelo Chega, segundo noticiou a SIC. Orlando Monteiro da Silva foi bastonário durante 20 anos, cargo que deixou no ano passado.

Ao PÚBLICO, o Chega preferiu não confirmar nem desmentir o nome, mas essa foi também a mesma estratégia usada quando foi tornado público o nome de Nuno Graciano para a corrida à autarquia lisboeta. O candidato do partido para a Câmara do Porto deverá ser anunciado e apresentado na próxima semana.

A confirmar-se, Orlando Monteiro é o terceiro a avançar para a corrida, depois de o Bloco de Esquerda ter anunciado que escolheu o sociólogo Sérgio Aires e de o PSD ter dito que o seu candidato é Vladimiro Feliz, antigo vice-presidente da autarquia portuense quando Rui Rio foi presidente e, por isso, um homem da plena confiança do líder social-democrata.

O ex-bastonário da Ordem dos Médicos Dentistas nasceu no Porto em 26 de Janeiro de 1963 e licenciou-se na Faculdade de Medicina Dentária da Universidade do Porto em 1987. É Doutor Honoris Causa pela Universidade do Porto desde Janeiro de 2014. Entre os vários cargos que desempenhou estão o de presidente do Conselho Nacional das Ordens Profissionais (CNOP) e o de membro do Conselho Económico e Social Português.

André Ventura, presidente do Chega, tem anunciado, nas últimas duas semanas, alguns nomes para os municípios mais populosos, e guardou para si a decisão sobre os mais importantes como Lisboa e Porto.

Além de Nuno Graciano (Lisboa) e, em princípio, Orlando Monteiro da Silva (Porto), são já conhecidos os nomes de Nuno Afonso (vice-presidente do partido) para Sintra; João Rodrigues dos Santos (empresário e irmão do jornalista e escritor José Rodrigues dos Santos) para Cascais; Rui Paulo Sousa (director da campanha presidencial de Ventura e empresário agrícola em Santarém) candidata-se a Castelo Branco; Bruno Nunes será o candidato em Loures (onde é deputado municipal desde 2017, quando concorreu nas listas de André Ventura).

A que se somam Rui Teixeira, actual presidente da União das Freguesias de Algés, Linda-a-Velha e Cruz Quebrada/Dafundo eleito pelo movimento de Isaltino Morais Inovar Oeiras de Volta (In-OV), que vai agora concorrer à presidência da Câmara de Oeiras, em princípio contra Isaltino. E ainda José Dias, quarto vice-presidente do Chega e presidente do Sindicato do Pessoal Técnico da PSP, que é o candidato à Câmara da Amadora — município onde o PSD pondera candidatar a advogada e comentadora de televisão Suzana Garcia, que admitiu publicamente ter sido sondada pelo Chega para se candidatar nas autárquicas.

Diogo Pacheco de Amorim, o primeiro vice-presidente do Chega, inicialmente apontado como candidato a Cascais será, afinal, o cabeça de lista da candidatura à Assembleia Municipal de Lisboa.