Passadiços do Paiva reabrem ao público, mas a “maior ponte suspensa do mundo” continua encerrada

Fechados desde Janeiro, os mais célebres passadiços reabrem ao público no dia 5 de Abril. Limite de capacidade: 2 mil pessoas por dia. Já a nova Ponte 516 Arouca ainda não tem data de inauguração, só preço anunciado de bilhete: 12 euros.

fotogaleria,passeios,arouca,fugas,turismo,ambiente,
Fotogaleria
Nelson Garrido
fotogaleria,passeios,arouca,fugas,turismo,ambiente,
Fotogaleria
Nelson Garrido
,Bicicleta
Fotogaleria
ADRIANO MIRANDA
fotogaleria,passeios,arouca,fugas,turismo,ambiente,
Fotogaleria
ADRIANO MIRANDA
fotogaleria,passeios,arouca,fugas,turismo,ambiente,
Fotogaleria
ADRIANO MIRANDA
Passadiços do Paiva Trailhead
Fotogaleria
ADRIANO MIRANDA
Passadiços do Paiva Trailhead
Fotogaleria
ADRIANO MIRANDA
Fotogaleria
ADRIANO MIRANDA
Fotogaleria
ADRIANO MIRANDA
Fotogaleria
ADRIANO MIRANDA

São 8,7 quilómetros de passeio “intocado”, repleto de diversidade e história, com desníveis acentuados capazes de tirar o fôlego a qualquer um. Encerrados desde 15 de Janeiro devido à pandemia, os Passadiços do Paiva, no concelho de Arouca, reabrem ao público no dia 5 de Abril, segunda-feira, anunciou a autarquia local.

Embora já esteja finalizada, a Ponte 516 Arouca, anunciada como a “maior ponte suspensa do mundo”, continuará inacessível e, destaca Ana Pinto, responsável pelo gabinete de apoio à presidência da autarquia, não existe ainda data para a inauguração. O que já existe é o preço anunciado do bilhete: 12 euros.

Em relação aos passadiços há regras: o limite de capacidade estará restringido às 2 mil pessoas por dia e o horário de funcionamento, habitualmente das 9h às 18h, volta novamente a sofrer alterações com a última entrada no percurso marcada para as 15h.

Vista para a "516 Arouca", considerada a maior ponte pedonal suspensa do mundo LUSA/OCTÁVIO PASSOS
A ponte tem 516 metros de comprimento e 175 de altura LUSA/OCTÁVIO PASSOS,LUSA/OCTÁVIO PASSOS
O turismo de Arouca espera que a ponte reanime o negócio LUSA/OCTÁVIO PASSOS
Ponte está segura por cabos de aço dispostos a 175 metros acima do leito do rio LUSA/OCTÁVIO PASSOS
Ponte ainda está em construção junto aos Passadiços do Paiva LUSA/OCTÁVIO PASSOS
516 Arouca LUSA/OCTÁVIO PASSOS
516 Arouca LUSA/OCTÁVIO PASSOS
Fotogaleria

A ponte deverá ficar concluída no início de Julho mas ainda não tem data de inauguração.

Lusa

“Nesta fase inicial não estamos à espera de uma grande avalanche até porque continuam a existir restrições. Esperamos números à volta de 500 pessoas por dia aos fins-de-semana”, revela Ana Pinto à Fugas.

Quem estiver interessado em usufruir da experiência pela primeira vez ou quiser repeti-la deverá reservar previamente o bilhete online através do site dos passadiços ou na Loja Interactiva de Turismo, deixando de estar disponível a sua aquisição nos dois locais de entrada, Areinho - Espiunca. Caso esgotem, os bilhetes dos clientes de operadores turísticos estarão assegurados. “Quem tiver consumo a nível local, a nível de restaurante, alojamento, animação turística, tem acesso às entradas mesmo em períodos esgotados. No entanto, vamos controlar o número de pessoas para não termos uma situação de excesso de visitantes na infra-estrutura.”

No momento da reserva, os visitantes terão de indicar “algumas informações básicas como nome e morada, o dia de visita e o ponto de entrada em que pretendem iniciar o percurso”, pode ler-se no site. Depois de efectuar o pagamento da entrada, no valor de 2 euros, excepto para crianças com menos de 10 anos, que têm entrada gratuita, o visitante receberá por email o bilhete que deverá imprimir ou guardar no telemóvel para apresentar no dia da visita. 

Tal como aconteceu em Maio do ano passado, os visitantes terão de autorizar a medição da temperatura à entrada e higienizar frequentemente as mãos, sendo aconselhado que se façam acompanhar de um doseador individual de álcool gel para proceder à higienização das mesmas ao longo do percurso.

Com o objectivo de evitar possíveis contágios através do contacto com superfícies, a câmara de Arouca aconselha ainda que os visitantes evitem apoiar-se nos corrimões existentes ao longo da estrutura. Cumprir as normas de distanciamento social e etiqueta respiratória, bem como o uso obrigatório de máscara à entrada e saída do local “aquando da validação dos bilhetes”, no acesso às instalações sanitárias e em “situações de eventual interacção com terceiros”, são as restantes regras que devem ser respeitadas.

O município apela igualmente a que os passadiços não sejam visitados por cidadãos que estejam doentes, “em contacto com um caso confirmado de covid-19 ou ainda se estiveram numa área com transmissão comunitária activa, nos últimos 14 dias”.

Longe das grandes aglomerações dos centros urbanos, para Ana Pinto esta é a alternativa ideal para sair de casa. “Estamos a falar de um percurso que até à entrada dos passadiços só estava acessível por barco e, portanto, desse ponto de vista é uma experiência notável.”