Pela primeira vez, Óscares também vão decorrer fora dos EUA, para evitar viagens na pandemia

Preparativos são “entorpecedores” e a logística tem a firmeza de “gelatina”, diz o produtor da cerimónia, Steven Soderbergh. Londres e Paris juntam-se a Los Angeles numa cerimónia que quer ser “o apogeu” da temporada de prémios e transmitir “normalidade”.

Foto
Lady Gaga e Bradley Cooper cantam Shallow (2018) nos Óscares, que este ano reservarão as actuações da canção original para o Dolby Theatre MIKE BLAKE/reuters

Os Óscares de 2021 nunca seriam “normais” num ano em que a normalidade escapa a grande parte do planeta devido à covid-19, e por isso os seus preparativos estão a ser “entorpecedores”, nas palavras do produtor da cerimónia, o cineasta Steven Soderbergh. Foi assim que descreveu o que há uma semana ocupa a organização – depois de os produtores do evento de entrega de prémios terem insistido que não haveria Zoom e que a presença dos nomeados era obrigatória, nesta terça-feira acabaram por recuar, após fortes críticas, e anunciaram que vão ter pelo menos duas localizações na Europa. Londres e Paris serão os dois palcos adicionais dos prémios mais importantes do cinema norte-americano e mais mediáticos do cinema mundial, num ano em que viajar entre países ou até uma sala de cinema é uma missão quase impossível.

A 93.ª cerimónia dos Óscares decorre a 25 de Abril (madrugada de 26 em Portugal). O plano inicial era distingui-la das restantes galas desta temporada, eliminando transmissões por vídeo e a aridez das entregas de prémios dos últimos meses. Sobre este espectáculo televisivo tanto quanto corolário de um ano de cinema, os produtores contratados pela Academia de Artes e Ciências Cinematográficas de Hollywood tinham sido taxativos: “Não haverá a opção de entrar via Zoom na cerimónia”, que queriam que fosse “íntima e presencial”. Mas na terça-feira, numa chamada que sintomaticamente foi feita por Zoom, Soderbergh e os produtores Jesse Collins e Stacey Sher garantiram ter ouvido as queixas e revelaram o novo plano, que envolve as primeiras saídas dos Óscares dos EUA, o pagamento das despesas dos convidados e mais “transparência”.

Os Óscares vão então ocupar, além das suas duas localizações já anunciadas – o Dolby Theatre e a Union Station de Los Angeles –, dois locais ainda por revelar em Londres e Paris, noticiou a revista Hollywood Reporter. A revista Variety dá como certa apenas a capital inglesa. “Londres está 100% confirmado”, disse Stacy Sher na chamada que contou com a infecciologista Erin Bromage, da Universidade de Massachusetts-Dartmouth, para esclarecer dúvidas dos interlocutores da academia, ou seja, representantes dos estúdios e dos nomeados.

É a primeira vez que os Óscares montam uma operação que inclui espaços de cerimónia alternativos fora dos EUA. Nascidos em 1929 no Hotel Roosevelt em pleno Hollywood Boulevard, em Los Angeles, só saíram da cidade californiana entre 1953 e 1957, quando a cerimónia decorreu em simultâneo em Hollywood e em Nova Iorque – foi precisamente quando os Óscares começaram a ser transmitidos na televisão.

O plano inicial dos produtores foi quase tão escrutinado quanto as nomeações anunciadas a 15 de Março. A insistência na presença dos nomeados – que só podem ser acompanhados por um convidado, numa lista de presenças reduzidíssima em relação a anos sem covid-19 – gerava questões logísticas que envolviam quarentenas à chegada aos EUA nos casos em que os nomeados pudessem sequer viajar (muitas viagens internacionais não essenciais continuam proibidas mundo fora) e quarentenas no regresso, interrompendo durante quase um mês vidas e, sobretudo, projectos e rodagens em curso, além de representarem riscos sanitários e custos elevados. O coro de críticas embateu em silêncio.

“Pedimos muitas desculpas pela frustração que o nosso silêncio causou”, disse na terça-feira Steven Soderbergh. “Não é por não estarmos a ouvir-vos ou porque tenhamos sido apanhados de surpresa pela complexidade da cerimónia”, explicou. “Todos os dias desde o anúncio das nomeações temos tido um debate interno sobre que informação libertar sobre o que estamos a fazer, sobretudo porque essa informação muitas vezes tem a consistência de... gelatina”, ilustrou sobre a indefinição que marca toda esta temporada de prémios e, por conseguinte, os Óscares. Os produtores insistem que querem fazer “algo especial e de forma segura”, um espectáculo que é “o apogeu” e que dê “às pessoas o que elas querem, uma sensação de comunidade e de normalidade”, acrescentou Jesse Collins.

Para já, o que parece escrito na pedra é que as actuações das canções nomeadas terão lugar em Los Angeles e que todos os nomeados que escolham viajar até à Califórnia serão testados à covid-19 pelo menos duas vezes, com diferentes exigências de quarentena conforme a sua proveniência, o seu estado de vacinação ou o meio de transporte utilizado. Os custos das quarentenas em Los Angeles serão pagos por parceiros comerciais da Academia. Haverá uma passadeira vermelha, mas muito diferente da habitual, com apenas 20 meios de informação acreditados e quatro fotógrafos presentes. Na Union Station, onde estarão muitos dos convidados, a sua presença será rotativa para minimizar os ajuntamentos e tudo funcionará, disse Soderbergh, como “uma espécie de cocktail”. A sala de imprensa será virtual. O número de abertura “vai pôr-vos as pernas a tremer”, disse Soderbergh.

O que ainda não se sabe: se os convidados terão de usar máscaras quando na assistência; se os nomeados que não puderem estar em qualquer dos espaços dos Óscares poderão ou não entrar via Zoom na cerimónia. “A palavra começada por Z?”, brincou Soderbergh. “Olhem, digamos apenas que esperemos que isso não se coloque.”

Os Óscares são um dos maiores acontecimentos televisivos em directo do mundo, com transmissão em centenas de países. Mas as suas audiências estão em queda desde 1998, o ano em que Titanic, o terceiro filme mais rentável de sempre, arrebatou a cerimónia  a perda de público está também relacionada com a dispersão dos espectadores pelo cabo ou pelo streaming e vai sofrendo oscilações em anos com filmes candidatos mais ou menos populares.

Pela primeira vez em mais de cinco décadas, Hong Kong não verá os Óscares em directo como é habitual no canal TBV. A estação diz que a decisão é “puramente comercial”, embora coincida com uma edição em que está nomeada uma curta-metragem sobre os protestos de 2019 na cidade e depois de o Governo chinês ter pedido que seja feita a mínima cobertura possível do evento para garantir a “correcção política”.

Numa temporada como 2020/21, em que muita da oferta cultural e cinematográfica chegou aos seus destinatários via streaming, com milhares de cinemas fechados por longos períodos e com estreias adiadas pelos grandes estúdios, o poder agregador dos Óscares é mais uma incógnita em plena pandemia.