A IL, Lisboa e o absurdo da fragmentação

O risco da IL é gigantesco. E só piorou com a história do candidato que desistiu três dias após a sua apresentação. Ou a IL se sai agora com um substituto extraordinário ou o risco da irrelevância será bem maior do que o risco de impedir a vitória da direita em Lisboa.

A Iniciativa Liberal tem boas razões para não querer estar na coligação de Carlos Moedas em Lisboa. É um partido novo, em fase de crescimento, que sente que tem de ir marcando território em todas as eleições. No Porto, os seus quadros principais são do movimento de Rui Moreira, pelo que o apoio ao actual presidente parece inevitável. No resto do país, terá uma presença residual, em locais que não geram mediatismo nem dinâmicas de afirmação. Se não concorresse sozinha em Lisboa, não teria uma história para contar nas autárquicas. Em ano eleitoral, seria apenas uma nota de rodapé nos telejornais.