Omar do Senegal, o verdadeiro maoísta

No Doclisboa, o belga Vincent Meessen faz um retrato de um activista senegalês que quis mudar o seu tempo: Juste un mouvement, um filme sobre o passado que ressoa com o presente à sombra de Godard.

jeanluc-godard,documentario,cinema,culturaipsilon,doclisboa,senegal,
Fotogaleria
“O Omar era um mutante — um homem de um tipo novo, que quis mudar o seu tempo”, diz quem conheceu o activista Omar Blondin Diop no filme de Vincent Meessen
jeanluc-godard,documentario,cinema,culturaipsilon,doclisboa,senegal,
Fotogaleria
Imagens de arquivo mostram Omar em manifestações do Movimento do 22 de Março ou ao lado de Daniel Cohn-Bendit
jeanluc-godard,documentario,cinema,culturaipsilon,doclisboa,senegal,
Fotogaleria
Omar era uma das raras figuras negras no mar de estudantes, a estudar na Universidade de Nanterre
Doudou Fall
Fotogaleria
Doudou Fall

“O Omar era um mutante — um homem de um tipo novo, que quis mudar o seu tempo.” São palavras ditas por alguém que conheceu Omar Blandin Diop (1946-1973), em Juste un mouvement. Um atordoante filme-ensaio em múltiplas camadas dirigido pelo artista multidisciplinar belga Vincent Meessen (Baltimore, 1971), à volta de uma “personagem incrível” que o realizador considera de uma “complexidade próxima de uma figura romanesca, um pouco mítica”. O filme teve estreia mundial na paralela Forum do Festival de Berlim e podemos agora vê-lo no actual programa online do Doclisboa (até 17 de Março).

Sugerir correcção
Ler 1 comentários