Alunos da Escola 72 vão continuar a ter aulas na Junta da Estrela

Estudantes devem manter-se na escola provisória nos próximos dois ou três anos lectivos. Há um estudo prévio para a reabilitação que deixa os pais “muito satisfeitos”.

Foto
As instalações da junta foram adaptadas em poucos dias rui gaudencio

Os alunos da Escola Básica 72 vão continuar a ter aulas em instalações da Junta da Estrela durante os próximos dois ou três anos lectivos. Já existe um estudo prévio para a reabilitação da velhinha escola da Rua da Bela Vista à Lapa, mas as obras só devem arrancar daqui a cerca de um ano.

Perante a crescente degradação do edifício, a Câmara de Lisboa decidiu que os estudantes deviam passar para contentores no Mercado do Rato, mas a montagem atrasou-se de tal forma que a duas semanas do início das aulas ainda era incerto onde decorreria o actual ano lectivo.

A junta de freguesia decidiu então transformar a sua sede em escola provisória. “O que os pais gostariam era que os alunos ficassem ali até ao fim das obras”, diz Joana Mascarenhas, da associação de pais e encarregados de educação. “É um espaço grande, foi sempre respeitado o distanciamento, os miúdos adaptaram-se muito bem.”

Perspectiva do projecto em elaboração DR
Perspectiva do projecto em elaboração DR
Fotogaleria
DR

Para Luís Newton, presidente da junta (PSD), já não faz sentido equacionar que os alunos se mudem para o Mercado do Rato ou para a Escola Secundária do Restelo, como também chegou a ser pensado pela câmara. “Hoje a comunidade escolar nem sequer nos ia permitir pensar nos contentores”, diz o autarca.

As instalações da junta na Rua do Quelhas foram adaptadas em poucos dias a meio de Setembro passado, recebendo elogios até da oposição socialista na freguesia. Em sentido contrário, o executivo camarário PS-BE foi criticado por “inacção” e por querer “desenraizar” os alunos.

Luís Newton diz que esta paragem das aulas foi aproveitada para dar alguns retoques nas instalações e que vão ser necessárias “algumas intervenções mais estruturais”. Joana Mascarenhas elogia a junta por “desempenhar um bom papel de ligação com a comunidade escolar”.

Em Janeiro foi apresentado aos pais o estudo prévio de reabilitação da Escola 72, elaborado pelo arquitecto Gonçalo Byrne. “Neste momento encontramo-nos em período de desenvolvimento do projecto”, informa uma fonte oficial do vereador da Educação, Manuel Grilo (BE). “Estima-se que o concurso de empreitada possa ser lançado no segundo semestre de 2021. A obra terá um prazo de duração de 18 meses.” Como todas as intervenções em escolas de Lisboa, esta obra está a ser gerida pela empresa municipal SRU.

À associação de pais foi dada a indicação de que no ano lectivo 2023/2024 já haverá aulas numa escola renovada. Joana Mascarenhas afirma que os encarregados de educação ficaram “muito satisfeitos” com o que viram, uma vez que estão previstos novos equipamentos, como um campo de basquete, e a reabilitação transformará por completo o existente.

No entanto, acrescenta, “é importante que se cumpram os timings” pois “os pais têm essa expectativa”. Na história recente da reabilitação de escolas em Lisboa há poucas que tenham chegado ao fim sem atrasos.