Isabel dos Santos já não é multimilionária e Elon Musk volta ao segundo lugar, dizem as contas da Forbes

A revista que segue o rasto das fortunas diz que filha do ex-Presidente angolano dificilmente voltará a ter acesso aos bens congelados por processos judiciais.

isabel-santos,empresas,amazon,mexico,industria-aeroespacial,espaco,
Fotogaleria
Apesar de estar menos rica, Isabel dos Santos está longe de correr o risco de ficar pobre Nelson Garrido
isabel-santos,empresas,amazon,mexico,industria-aeroespacial,espaco,
Fotogaleria
Jeff Bezos ocupa o primeiro lugar da lista LUSA/MICHAEL REYNOLDS
isabel-santos,empresas,amazon,mexico,industria-aeroespacial,espaco,
Fotogaleria
Elon Musk esteve por breves dias em primeiro Reuters/HANNIBAL HANSCHKE
isabel-santos,empresas,amazon,mexico,industria-aeroespacial,espaco,
Fotogaleria
Bernard Arnault é o dono do conglomerado de luxo LVMH Reuters/CHRISTIAN HARTMANN

Isabel dos Santos chegou a ser declarada a mulher mais rica do continente africano pela Forbes. Mas, agora, a revista decidiu excluí-la da lista dos multimilionários porque, explica, aquela que chegou a ser apelidada de “princesa de África” tem hoje poucas hipóteses de voltar a tocar nos bens congelados devido a processos judiciais relacionados com corrupção, tráfico de influências, desvio de capitais, fraude fiscal e lavagem de dinheiro.

No entanto, a filha do ex-Presidente de Angola, José Eduardo dos Santos​, não deverá passar quaisquer necessidades. Segundo a mesma publicação, a empresária possui uma casa numa ilha privada no Dubai, uma residência em Londres e um iate de 35 milhões de dólares, além de haver suspeitas de existirem “contas bancárias e activos sobre os quais nem a Forbes nem as autoridades têm conhecimento”. Actualmente, Isabel dos Santos reparte o seu tempo entre aquele emirado, onde o marido, Sindika Dokolo, morreu num acidente de mergulho em Outubro, e a capital britânica.

Jeff Bezos, o mais rico

Bastou uma semana de Administração Biden para a lista dos mais endinheirados do mundo dar uma reviravolta. Com Wall Street a registar ânimo com o novo Presidente e as acções das tecnológicas a somarem avultados ganhos, o primeiro lugar dos multimilionários voltou a ser de Jeff Bezos, o CEO da Amazon, depois de o patrão da Tesla, Elon Musk, ter ocupado o lugar cimeiro por breves dias.

Os ganhos de Bezos, também proprietário do jornal The Washington Post, surgem na sequência da saída do poder de Donald Trump, um acérrimo crítico do empresário, justifica a Forbes.

O terceiro lugar é ocupado pelo francês Bernard Arnault, presidente e CEO da LVMH, um império que inclui marcas como Louis Vuitton e Sephora; e que adquiriu recentemente a norte-americana Tiffany.

No entanto, é provável que, ao longo de 2021, a lista tenha novidades. É que, analisa a Forbes, “as pessoas mais ricas da Terra não são imunes ao coronavírus”, e a pandemia está a afectar também as maiores fortunas do planeta – e até a saúde dos seus detentores (há uma semana, o homem mais rico do México, Carlos Slim Helú, de 80 anos, foi diagnosticado com covid-19).

De acordo com a publicação, há não só menos multimilionários como a maioria destes tem hoje menos riqueza do que há um ano. O conjunto dos 2095 multimilionários do planeta representa oito biliões de dólares, menos 700 mil milhões face ao saldo calculado relativamente a 2019.