Feita em quatro anos, a vacina da papeira foi a mais rápida da história – até hoje

Considerado o “pai das vacinas modernas”, o norte-americano Maurice Hilleman desenvolveu em tempo recorde a vacina da papeira, na década de 1960. Agora, a vacina contra a covid-19 tornar-se-á a mais rápida – desenvolvida, testada e aprovada em menos de um ano, fruto da cooperação internacional e da urgência gerada pela pandemia que chegou a quase todo o mundo.

Foto
A filha mais nova de Maurice Hilleman, Kirsten, a ser vacinada em 1966 contra a papeira com a vacina desenvolvida pelo pai. Ao lado esquerdo, a sua irmã, Jeryl Lynn, de quem foi retirada a amostra que serviria de base para a vacina DR

Era 1h da manhã de 21 de Março de 1963 quando a filha do microbiólogo Maurice Hilleman o acordou. Estava com dores de garganta, não conseguia dormir, e o cientista percebeu pelos sintomas que se tratava de papeira: uma doença infecciosa quase sempre inofensiva, mas sem cura conhecida à data. Depois de deitar a filha de cinco anos, foi a meio da noite ao sítio onde trabalhava – a farmacêutica norte-americana Merck – buscar material para amostras. Com uma zaragatoa, tirou uma amostra da garganta da filha. “Foi bastante desconfortável”, recorda Jeryl Lynn, num podcast da BBC. E assim começava a ser desenvolvida a vacina mais rápida da história – levou quatro anos até ser aprovada e só será agora destronada pela da covid-19.

À estirpe do vírus da papeira que usou, o norte-americano Maurice Hilleman deu o nome da filha: Jeryl Lynn – a mesma estirpe usada ainda hoje. O cientista começou a cultivar uma versão enfraquecida desse vírus retirado da garganta da filha com o objectivo de criar uma vacina para a doença infecciosa (oficialmente chamada parotidite epidémica). Em 1967, a vacina estava pronta e revelou-se eficaz para prevenir a doença. Os casos desceram a pique. 

Ao todo, Maurice Hilleman desenvolveu mais vacinas do que qualquer outro cientista: foram mais de 40 vacinas para seres humanos e animais. Era considerado o “pai das vacinas modernas” e esteve envolvido no desenvolvimento das vacinas preventivas do sarampo, rubéola, hepatite A, hepatite B e varicela. Apesar do seu contributo para a ciência, esquivava-se da fama e era guiado pelo combate a doenças através da vacinação, sobretudo em crianças. “O meu pai tinha uma lista de doenças que ele sentia que tinham de ser tratadas”, explica Jeryl Lynn.

Foto
Maurice R. Hilleman MERCK/DR

A vacina criada por meio da inspiração nocturna é ainda a mesma que é usada em combinação com a do sarampo e da rubéola (uma vacina tríplice chamada Vaspr), dada a crianças por todo o mundo, oferecendo protecção para três maleitas numa só vacina. Esta inoculação combinada foi introduzida no mercado em 1971, mas as versões isoladas de cada uma destas vacinas já tinham sido aprovadas em 1963, 1967 e 1969 (sarampo, papeira e rubéola, respectivamente). Estima-se que as vacinas desenvolvidas por Hilleman no seu laboratório da Pensilvânia ajudem a salvar oito milhões de vidas todos os anos.

Como trabalhava na indústria farmacêutica, foi-lhe mais fácil desenvolver, testar e produzir em massa a vacina da papeira em tempo recorde. Na altura, os ensaios clínicos também envolviam menos pessoas do que hoje e os protocolos para autorizar uma vacina eram menos morosos. As vacinas podem levar entre dez a 15 anos a serem produzidas.

Foto
Uma vacina tríplice contra a papeira, sarampo e rubéola é administrada a uma criança de um ano em Seattle, nos Estados Unidos Lindsey Wasson/REUTERS

Ainda assim, como referido num artigo do site do canal História, esta vacina foi uma das mais rápidas da história também por causa dos conhecimentos técnicos já adquiridos durante a Segunda Guerra Mundial, quando os investigadores procuravam vacinas contra o sarampo e a poliomielite. Essas técnicas ajudaram a que a vacina da papeira pudesse ser desenvolvida em tão pouco tempo – até porque também utilizava embriões de galinhas para enfraquecer o vírus. O norte-americano Karl Habel tinha já desenvolvido uma vacina experimental contra a papeira em 1946, com uma versão “inactivada” do vírus – mas, na altura da guerra, a doença não foi considerada uma prioridade.

A papeira é uma doença viral associada à infância que provoca inchaço das glândulas parótidas, que se encontram na zona da mandíbula. Tal como os coronavírus, é transmitida através de gotículas expelidas pela tosse, espirros ou saliva, assim como o contacto com superfícies contaminadas.

Dependendo da estirpe da parotidite epidémica, o vírus pode afectar o cérebro ou a medula espinhal e até causar meningite ou levar à perda de audição – mas é, por norma, um vírus inofensivo. “Tudo o que fiz foi ficar doente na altura certa, com o vírus certo e com o pai certo”, gracejava Jeryl Lynn ao New York Times, em 2013. A sua irmã mais nova, Kirsten, foi das primeiras a ser vacinada com a fórmula criada pelo pai.

Uma vida marcada pela morte

Maurice Hilleman nasceu em 1919 durante a pandemia de gripe pneumónica e teve uma infância complicada no estado rural do Montana. Era o filho mais novo de nove irmãos, a sua mãe e irmã gémea morreram pouco depois do parto e ele “mal sobreviveu” à infância, conta a sua filha no podcast Witness History da BBC. A família era muito pobre e vivia em condições difíceis, com frio e fome. Outro dos seus irmãos morreu também cedo por causa de uma apendicite. “Ele viu a morte à sua volta e acho que isso criou alguma da motivação e do desejo de ser útil que o moveu ao longo da sua vida”, acredita a filha mais velha.

Apesar das dificuldades financeiras, foi motivado pelos irmãos a estudar e conseguiu uma bolsa na Universidade Estadual de Montana, de onde sairia como o melhor aluno da turma; depois, mudou de cidade para estudar microbiologia na Universidade de Chicago.

Em 1944, aos 25 anos, Hilleman provou que a clamídia era causada por uma bactéria e não por um vírus, e que poderia então ser tratada com antibióticos. Desenvolveu uma vacina contra o vírus da encefalite japonesa e apercebeu-se de que o vírus da gripe sofria mutações, prevenindo o alastramento da infecção de uma nova estirpe ao sugerir que a vacina fosse actualizada todos os anos.

Quando a sua filha Jeryll Lynn nasceu, Hilleman tinha ajudado a salvar milhões de vidas. O cientista foi também director do Instituto de Vacinação Merck até 1984 e professor adjunto de pediatria na escola de Medicina da Universidade da Pensilvânia.

Maurice Hilleman morreu em 2005, com 85 anos, enquanto cresciam os movimentos anti-vacinação nos Estados Unidos. Na altura da sua morte, o presidente do Instituto de Vacinação Merck, Adel Mahmoud, dizia que “este homem descobria uma vacina em tudo o que tocava”. Também o imunologista norte-americano Anthony Fauci, que tem sido o rosto nos EUA no combate à pandemia de covid-19, era seu amigo e considerava-o um “rabugento adorável”. Dizia, à data, que Maurice Hilleman “será sempre um dos verdadeiros gigantes da ciência, medicina e saúde do século XX” – e que teria bastado uma das suas descobertas para ter alcançado uma “grandiosa carreira científica”.

“Ele nunca se dava por satisfeito. O seu objectivo, que era impossível, era eliminar qualquer doença infecciosa que pudesse causar sofrimento a crianças, ou o seu internamento ou a morte”, afirmou o pediatra Paul Offit, com quem trabalhou. Mas nem sempre era uma relação fácil: “Nunca conheci ninguém que fosse ao mesmo tempo tão inteligente e tão rude.” Paul Offit é um dos especialistas integrados numa das equipas para desenvolver a vacina contra a covid-19 e sabe que o recorde do seu colega será agora batido. Acredita que Hilleman seria uma ajuda valiosa nos dias de hoje, em plena pandemia: “Quem me dera que ele estivesse vivo hoje porque diria: ‘Este é o caminho.’ E teria razão, como sempre.”