Belcanto avança com descontos de 50%, Feitoria fecha temporariamente

Entre a “incerteza” e a busca de alternativas, dois restaurantes com estrelas Michelin tomam decisões: Avillez corta preço pela metade no seu Belcanto; João Rodrigues tem o Feitoria em pausa até final do mês.

Foto
José Avillez RUI GAUDENCIO

Perante um estado de emergência que deixa a restauração num novo ataque de nervos, proprietários por todo o país estão entre a resignação e a apreensão, muitos decidindo por encerrar pelo menos aos fins-de-semana, enquanto aguardam os prometidos novos apoios ao sector, ainda por definir.

No mundo das estrelas Michelin, também é tempo de decisões radicais. Não é todos os dias que um restaurante duas estrelas Michelin, também considerado um dos 50 melhores do mundo, faz promoções de arromba, mas estes são tempos de “enorme incerteza, como refere o Belcanto ao anunciar a sua leva de descontos. A partir desta terça-feira, neste restaurante de luxo do Chiado, um dos sete duas estrelas Michelin em Portugal, há 50% de desconto ao almoço. 

A proposta da casa chefiada por José Avillez é “venha almoçar ao Belcanto e traga um ou mais convidados  nós oferecemos metade do valor da refeição”.

O restaurante começou a promover nas suas redes sociais a campanha: “apesar da enorme incerteza que vivemos, gostávamos de continuar a partilhar a nossa paixão: oferecer a melhor cozinha contemporânea portuguesa e dá-la a conhecer ao mundo”.

A oferta está disponível até final de Novembro, confirma o restaurante, e concretiza-se na aplicação do desconto de 50% no valor total da refeição. 

Foto
Belcanto DR

As reservas podem ser feitas no site do Belcanto e refira-se que os menus de degustação têm habitualmente preços entre 165 euros e 185 euros. Incluem pratos que também pode ser escolhidos à parte no menu: à carta, há clássicos de Avillez como a entrada A horta da galinha dos ovos de ouro (preço de menu: 38,5 euros) ou Couve de cozido (35€), pratos principais como o Robalo com escamas de puré de abóbora amendoim (49,5€) e o Leitão crocante (49,5€), sobremesas como a Tangerina (18€).

Em Junho, em tempo de reaberturas após os primeiros períodos de encerramento na Primavera, José Avillez regressou, mas decidindo pôr fim a seis projectos gastronómicos.

João Rodrigues, chef do Feitoria
Feitoria DR
Fotogaleria

Decisão mais radical foi tomada pelo Feitoria, uma estrela Michelin. O restaurante do hotel lisboeta Altis Belém, chefiado por João Rodrigues, decidiu fechar portas a partir desta terça-feira e até 30 de Novembro. 

A decisão, explica-se, é tomada “devido ao agravamento das medidas tomadas no estado de emergência e da situação de alerta global provocada pela pandemia de covid-19”. 

Sem avançar outros detalhes, o Feitoria acrescenta que “de acordo com a evolução da situação” assim será reavaliada a data de reabertura. E termina-se com uma nota de esperança: “Esperamos voltar muito em breve”.

Em Lisboa, também o Time Out Market, no Mercado da Ribeira, que reúne extensões de várias marcas e restaurantes célebres, anunciou o encerramento temporário do seu food court.

Sugerir correcção