A três dias da votação do OE2021, Ferro Rodrigues apela à convergência de todos os deputados para vencer desafios da crise

Numa mensagem que assinala o primeiro desta legislatura e os seus cinco anos de presidência, Ferro afirma que os portugueses esperam que os deputados “possam abdicar de interesses particulares” e se unam.

Foto
Na sexta-feira, dia 23, assinalaram-se os cinco anos da primeira eleição de Ferro Rodrigues como presidente do Parlamento e este recebeu Marcelo Rebelo de Sousa e António Costa para um almoço na Assembleia da República. Nuno Ferreira Santos

Eduardo Ferro Rodrigues assinala o primeiro aniversário da legislatura e os seus cinco anos de presidência do Parlamento com um apelo aos deputados de todos os partidos para “convergir no que é absolutamente essencial” e vencer a crise. “Num momento tão difícil para todos nós, para a sobrevivência da nossa vida em sociedade, e, mesmo, para a nossa própria existência individual, os portugueses esperam dos seus representantes que estejam à altura das suas responsabilidades”, escreve Eduardo Ferro Rodrigues numa mensagem publicada no site da Assembleia da República.

Num momento de crise, causada pela pandemia de covid-19, o presidente do Parlamento e numa fase em que está em debate o Orçamento do Estado de 2021, Ferro fez um apelo directo e disse o que acha que os portugueses esperam dos deputados.

“Mais do que nunca, esperam que, embora fiéis aos seus princípios e valores, os seus representantes possam abdicar de interesses particulares e de convergir no que é absolutamente essencial: enfrentarmos, em conjunto, os muitos e exigentes desafios que temos pela frente”, lê-se na mensagem. E diz acreditar que é possível vencer esses “exigentes desafios": “A história demonstra-nos, olhando à história, que fomos capazes, que somos capazes, que seremos capazes.”

Um ano depois da posse dos deputados, a 25 de Outubro de 2019, Ferro afirma que, devido à pandemia surgida no início do ano, os deputados não imaginariam “o quão exigente, o quão difícil” seriam os doze meses seguintes. “Quem, há um ano, imaginaria que a Assembleia da República viria a ser chamada a autorizar a declaração do estado de emergência, e a fazê-lo por três vezes?”, interroga-se.

Aos deputados, agradece o “empenho de todas e de todos” pelo facto de ter sido possível garantir, “num quadro de pandemia, o funcionamento pleno do Parlamento como órgão de soberania”, para acompanhar a situação causada pela covid-19 e manter “uma cuidada fiscalização da acção do Governo, em total respeito e em cumprimento da Constituição”.

“No ano que hoje se assinala, a Assembleia da República cumpriu a sua missão, e continuará a cumpri-la no futuro, com o mesmo empenho, a mesma entrega, a mesma responsabilidade. No que me diz respeito, tudo farei para que as portuguesas e os portugueses possam continuar a orgulhar-se do seu parlamento”, escreve, a terminar a mensagem.

Na sexta-feira, dia em que passavam cinco anos sobre sua eleição como presidente da Assembleia da República, o chefe de Estado, Marcelo Rebelo de Sousa, e o primeiro-ministro, António Costa, estiveram no Parlamento num almoço com Ferro Rodrigues para assinalar a data.

Eduardo Ferro Rodrigues foi eleito em 23 Outubro de 2015, pela primeira vez, presidente da Assembleia da República, com 120 votos, enquanto o outro candidato a este cargo, o deputado do PSD Fernando Negrão, obteve 108 votos. Participaram nesta votação os 230 deputados em funções, e houve dois votos brancos. A eleição de Ferro Rodrigues foi recebida com palmas pelas bancadas da esquerda, e aplaudida de pé pelos deputados do PS, com os grupos parlamentares do PSD e do CDS-PP em silêncio.

Na sequência do anúncio do resultado, o secretário-geral do PS considerou que se tratava de um sinal de que o PSD e CDS-PP estavam em minoria e que havia “uma nova maioria de esquerda” na Assembleia da República. O PSD protestou, alegando que as forças de esquerda tinham “quebrado a tradição” de eleger como presidente da Assembleia da República o candidato proposto pela maior bancada parlamentar.