Castanhas há grandes e boas – e a festa faz-se online

Canceladas as feiras devido à covid-19, municípios e produtores viram-se para edições digitais, mercados online e caminhadas simbólicas.

folgosinho,gouveia,alimentacao,gastronomia,fugas,agricultura,
Foto
Teresa Pacheco Miranda

A apanha da castanha já arrancou nos soutos mas, este ano, a pandemia cancelou as feiras que habitualmente se concretizavam pelo país entre Outubro e Novembro. Eram momentos de festa, mas também uma forma de atrair visitantes e de escoar produto.

Por não estarem “reunidas as condições de segurança recomendadas pela Direcção-Geral de Saúde”, o município de Valpaços decidiu não realizar a Feira da Castanha de Carrazedo de Montenegro que, habitualmente, acontece em Novembro e costuma atrair milhares de pessoas à vila durante os três dias do evento. Em comunicado divulgado na semana passada, a autarquia reiterava que “a prioridade é a protecção da saúde pública”.

À agência Lusa, Lino Sampaio, da associação Agrifruto, com sede em Carrazedo de Montenegro, apontava a importância da feira para o escoamento do fruto e para a notoriedade da região e da castanha judia, a principal variedade da região. “Este ano não vamos ter isso. Estamos a tentar criar alternativas para minimizá-lo”, referia.

No entanto, perspectivava uma “boa campanha este ano”. “Nestas variedades híbridas [a colheita da variedade judia só arrancaria daí a dias] temos tamanho e temos castanhas. Estávamos muito preocupados com o que estaria dentro do ouriço. Estamos com uma qualidade muito interessante.”

A grande preocupação dos produtores é a “situação do escoamento”, não só com o cancelamento da feira mas também com a provável diminuição do consumo, nomeadamente nos assadores de rua. “A nossa expectativa é que as pessoas consumam mais em casa, mas não sabemos no que isto vai dar.”

Em Sernancelhe, numa tentativa de mitigar o mesmo problema com a produção do concelho, a Festa da Castanha migrou para a Internet, com iniciativas transmitidas nas redes sociais do município e o lançamento de um Mercado Terra da Castanha, apresentado dia 23, criado em parceria com a Associação Sementes da Terra, os CTT e a Dott, anunciada como “o maior shopping online de Portugal”.

O objectivo, anuncia a autarquia em comunicado, é “potenciar a venda da castanha martaínha produzida nos soutos do concelho” e, dessa forma, ajudar os produtores a “escoar o produto que, num ano normal, aconteceria durante o certame”.

A Dott terá à venda caixas de castanhas de dois e de cinco quilos que serão depois enviadas para casa dos clientes através dos CTT. Mas dentro da caixa não virão só castanhas. A ideia é que esta seja “uma experiência sensorial marcante”: na encomenda está incluído “um livro com propostas do que visitar no concelho, a sua história e património, uma descrição do percurso pedestre Rota da Castanha e do Castanheiro e informações sobre restaurantes e unidades hoteleiras locais”. Com uma apetitosa “novidade”: o livro contém “vouchers, válidos por seis meses, com descontos especiais”.

Nas redes sociais, Sernancelhe promete transmitir os “concursos da melhor montra, melhor castanha e melhor doce”. Este ano, os frascos de doce que “tradicionalmente eram distribuídos aos milhares de visitantes do certame” serão “doados a instituições sociais do concelho”.

Pelo palco dos vídeos transmitidos em directo pelo município, irão passar ainda “artistas e grupos portugueses”, como Canário e os Sons do Minho, e “fadistas do concelho”, que prometem “temas musicais e desgarradas feitos propositadamente para promoverem a Terra da Castanha”.

Haverá também vídeos sobre a apanha tradicional da castanha, assim como demonstrações gastronómicas protagonizadas por chefs de restaurantes e hotéis do concelho e por formadores da Escola Profissional de Sernancelhe.

Até 15 de Novembro, decorre ainda uma “edição especial do passeio pedestre e de BTT ao longo da Rota da Castanha e do Castanheiro”, com “vários horários de partida, em que cada grupo tem um limite de participantes”, obedecendo “às normas da Direcção-Geral de Saúde”.

É de forma semelhante que Folgosinho, no concelho de Gouveia, se prepara para assinalar a Festa da Castanha, entretanto cancelada: no dia 31 de Outubro, “irá realizar-se um percurso pedestre, que irá culminar com uma acção de plantação de soutos e um pequeno lanche/magusto”, anunciou esta quarta-feira o município.

A iniciativa começa às 8h30, no Adro de Viriato, onde habitualmente se realiza a feira, e termina na zona da Portela, com a plantação de castanheiros e distribuição da merenda pelos participantes.

Segundo a autarquia, acrescenta a agência Lusa, as inscrições na actividade serão limitadas a 20 participantes, que serão separados em grupos de quatro (preferencialmente constituídos por coabitantes e acompanhados por um guia) que deverão partir com o distanciamento de 50 metros entre si e manter esse distanciamento ao longo do percurso.

Vinhais decidiu celebrar os 15 anos da RuralCastanea – Festa da Castanha com uma edição online que inclui conferências temáticas, concursos da castanha e do mel, demonstrações culinárias e venda de produtos endógenos através de uma plataforma digital.

O evento contempla um fim-de-semana gastronómico, com os restaurantes aderentes a garantirem ementas com iguarias típicas da região feitas com castanha e ofertas aos clientes, por iniciativa da câmara municipal.

O município anunciou que quem fizer as refeições nos restaurantes aderentes vai receber vouchers com entrada gratuita para duas pessoas no Parque Biológico de Vinhais, no fim-de-semana de 23 a 25 de Outubro. Os clientes ficam ainda habilitados a ganhar duas noites no Parque Biológico e todos recebem um quilo de castanhas e o livro Saber (a) Vinhais - Contributo para uma Carta Gastronómica.

Sugerir correcção