Bloco impõe condições ao Governo até à votação e PS insiste no fantasma da crise

Socialistas acusam Bloco de mudar linhas vermelhas a meio da negociação e avisam parceiros parlamentares que rejeitar o orçamento porá em causa aquilo que estes partidos têm defendido. À direita, o PSD vai manter-se em silêncio uma semana.

Foto
Orçamento foi entregue na segunda-feira Daniel Rocha

O PS esperou que o Bloco de Esquerda falasse primeiro e, depois de Mariana Mortágua ter dado um prazo ao Governo – dia 28, data da votação na generalidade – para continuarem a negociar sobre quatro medidas que os bloquistas consideram essenciais, o deputado socialista João Paulo Correia trouxe o fantasma da crise política para cima da mesa. Porque até agora o PS continua sem saber para que lado se poderá virar daqui a duas semanas, já que da esquerda a mensagem que recebe é de rejeição e críticas. PAN, PCP e PEV não abrem o jogo sobre sentidos de voto e preferem vincar que está tudo em aberto.