easyJet regressa com 51 ligações em Portugal

Companhia aérea de baixo custo retoma 51 das 64 rotas nos aeroportos de Lisboa, Porto, Faro e Funchal.

acores,porto,lisboa,turismo,europa,transportes,
Foto
Reuters/Peter Cziborra

A partir desta quarta-feira, a easyJet volta a operar 51 das 64 rotas de Verão com ligação aos quatro principais aeroportos do país (Lisboa, Porto, Faro e Funchal). De acordo com a companhia, a meia centena de voos repostos tem como destino aeroportos em França, Reino Unido, Suíça, Alemanha, Luxemburgo e Itália.

“Hoje recuperamos 80% das rotas [em Portugal] e trazemos para junto dos nossos passageiros dois terços da tripulação”, aponta José Lopes, director-geral da easyJet Portugal, em comunicado. “Não podíamos estar mais satisfeitos, pois vamos viajar para a maior parte das rotas pela Europa, o que significa que os clientes ainda podem chegar ao destino escolhido para as férias de Verão deste ano.”

​O arranque da operação, no entanto, é “feito ainda num cenário de incerteza e, por isso, com menos frequências do que o habitual”, acrescenta o responsável, garantindo que a empresa continuará “a monitorizar a evolução da procura e das restrições nos diversos mercados”, de forma a ajustar “gradualmente” a oferta.

A nível global, a companhia aérea de baixo custo prevê retomar 50% das 1022 rotas em Julho, e 75% das ligações em Agosto. No entanto, como a frequência de voos será mais baixa, a operação deverá equivaler a cerca de 30% da capacidade normal entre Julho e Setembro.

De acordo com notícias publicadas terça-feira pela imprensa britânica, a transportadora está a planear despedir um terço dos pilotos e cortar até 1200 empregos na tripulação de cabine no Reino Unido, para além do encerramento de três bases operacionais no país (Stansted, Southend e Newcastle).

Depois de um interregno de quase três meses devido à pandemia de covid-19, a easyJet começou a retomar ligações a partir de 15 de Junho, tendo implementado uma série de medidas, elaboradas em conjunto com as autoridades de aviação, a EASA e a ICAO, e a nível nacional para ajudar a garantir a segurança e o bem-estar dos passageiros e da tripulação, indicou José Lopes, adiantando que “estas medidas incluem também a limpeza e desinfecção aprimoradas dos aviões e a exigência de que os passageiros e a tripulação devem usar máscaras”.

Com a reabertura das fronteiras e o progressivo desconfinamento um pouco por todo o mundo, também a Ryanair, o grupo Lufthansa e a Azores Airlines estão a retomar parte das ligações aéreas.

A transportadora irlandesa Ryanair já tinha anunciado no início de Junho que iria regressar com “mais de 120 rotas" a partir desta quarta-feira, 1 de Julho, em Portugal (aeroportos de Faro, Lisboa, Porto, Terceira e Ponta Delgada). Já a Azores Airlines, do grupo SATA, retoma os voos para Boston (Estados Unidos), Toronto (Canadá), Frankfurt (Alemanha) e, “mais tarde, em Agosto, Cabo Verde”.

Quanto ao grupo Lufthansa, prevê voltar a voar apenas 40% do programa de ligações inicialmente previsto para Julho, ainda que, refere em comunicado, essa retoma signifique já “mais 200 aviões [no ar] do que em Junho”.

“Pouco a pouco, as fronteiras abrem novamente. A procura está a aumentar, tanto no curto como no longo prazo. Por isso, estamos constantemente a expandir a nossa programação de voos e a avançar com a retoma”, afirma em comunicado Harry Hohmeister, membro do conselho executivo da Lufthansa.

Até ao final de Outubro, o grupo (que inclui a alemã Lufthansa, mas também a Austrian Airlines, a SWISS, a Eurowings e a Brussels Airlines) espera estar já a operar “mais de 90% dos voos de curto e médio curso planeados originalmente e mais de 70% das ligações de longo curso”.

Sugerir correcção