Novo medicamento acorda vestígios latentes do VIH no organismo para serem eliminados

Tratamento ainda só foi testado em ratinhos e o próximo passo são testes em primatas, antes de se poder avançar para ensaios em pessoas.

saude,ciencia,hiv,virus,sida,
Foto
Modelo do vírus da sida C. Bickel

Cientistas nos Estados Unidos criaram um medicamento que é capaz de ajudar a eliminar os últimos vestígios do VIH “escondidos” no organismo humanos, activando-os sem causar uma resposta avassaladora do sistema imunitário.

O Ciapavir afigura-se como uma cura funcional para as pessoas infectadas com o VIH usando a técnica “choque e morte”, acordando o vírus latente sem estimular uma resposta imunitária que pode ser fatal e atacando-o depois com anticorpos capazes de o neutralizar ou com células imunitárias modificadas que destroem as que estão infectadas.

“Tentativas anteriores de usar a técnica “choque e morte” usavam medicamentos para outros fins adaptados e não resultaram na reactivação do VIH latente, afirmou a investigadora Rowena Johnston, vice-presidente da Fundação para a Investigação da Sida (amfAR), citado num comunicado sobre o trabalho. 

Na investigação publicada esta terça-feira na revista científica Cell Reports Medicine, o Ciapavir foi dado a ratinhos infectados com VIH e o tratamento aumentou os níveis do vírus no sangue e na medula óssea, mas com uma activação imunitária muito reduzida.

PÚBLICO -
Foto
O investigador Sumit Chanda Instituto de Descoberta Médica Sanford Burnham Prebys

A próxima fase será experimentar o Ciapavir em primatas e fazer estudos toxicológicos para garantir que o medicamento está pronto para ser testado em seres humanos. A investigação foi coordenada por Sumit Chanda, director do Programa de Imunidade e Patogénese do Instituto de Descoberta Médica Sanford Burnham Prebys, em La Jolla, Califórnia (EUA).

A terapia antirretroviral aumentou para décadas a expectativa de sobrevivência das pessoas com VIH, conseguindo-se que muitos doentes vivam tanto como a população em geral.

Mas o vírus da imunodeficiência humana consegue “esconder-se” no corpo humano e quem fica infectado nunca se consegue livrar completamente dele, precisando de tomar medicação para o resto da vida para desactivar o vírus.

Estima-se que 30% dos pacientes não cumpra a medicação de que precisa, o que faz aumentar o risco de o VIH progredir para a sida, o último grau de infecção e a resistência do vírus aos tratamentos. Sem medicação, as pessoas com sida conseguem sobreviver cerca de três anos.

Mais de 37,9 milhões de pessoas em todo o mundo estão infectadas com o VIH, de acordo com a Organização Mundial da Saúde. O vírus infecta os linfócitos T CD+4 do sistema imunitário humano, que é destruído à medida que a infecção progride, tornando as pessoas mais vulneráveis a outras infecções e doenças.

Sugerir correcção