Miguel Feraso Cabral
Foto
Miguel Feraso Cabral

“Não quer jantar comigo?”: histórias de estafetas que não pararam durante o estado de emergência

Com os restaurantes fechados, e para quem está em casa há várias semanas, encomendar comida equivale a fazer uma refeição fora. Para muitos, os estafetas foram o único contacto com o mundo exterior.

“O senhor não quer jantar comigo?”: foi esta a pergunta que Fernando Abreu ouviu. Estafeta no Grande Porto por passatempo, informático de profissão e uma das pessoas que continuaram a trabalhar, mesmo durante o estado de emergência. O confinamento deixou muita gente sozinha em casa, sem poder ver os familiares e amigos. Algumas pessoas estabeleceram contacto humano apenas com os estafetas, conta Fernando ao P3.

Já era de noite quando este estafeta recebeu um pedido na aplicação para ir buscar fast food. Quando aceitou, não sabia ao que ia — como é habitual neste tipo de aplicações —, mas à porta estava uma mulher “com os seus 50 anos” e “bem-apresentada”. Fernando, que se considera um homem falador, já teve muitas conversas de rotina, mas não esqueceu esta:

“— Bom jantar!
— Um bom jantar, um bom jantar era se fosse acompanhada, estou sozinha.
— Sozinha?
— Nesta altura do confinamento não temos ninguém... O senhor não quer jantar comigo?”

Fernando Abreu pediu desculpa, recusou o convite e continuou o trabalho. Mas não foi só esta “senhora de 50 anos” que se viu longe da família e dos amigos. Muitos têm passado os aniversários longe dos seus, como aconteceu a uma jovem no Porto com quem Sérgio Albuquerque se cruzou.

“Recebi um pedido de forma normal na aplicação”, conta Sérgio, e estava longe de saber o verdadeiro significado por detrás da solicitação. Por mensagem — as aplicações de entrega como a Uber Eats ou a Glovo têm uma opção para comunicar com o estafeta  recebeu novo pedido: “Por favor, entregue, é uma surpresa, diga que é das amigas de Lisboa. É um aniversário.” Um gesto diferente, num aniversário diferente, como têm sido todos em tempos de covid-19. “Eu fiz o que me pediram, fiz o meu trabalho”, recorda. “Subi o elevador, bati à porta e [quando a cliente a abriu] ficou surpreendida. Não fez perguntas, sorriu e aceitou.”

Toda a protecção é pouca

Numa coisa todos os estafetas com quem o P3 falou concordam: há uma maior precaução do que antes, tanto da parte deles como dos clientes. Pedem para deixar as encomendas à porta, para entrar pela garagem ou, até, para deixar no elevador.

“Agora, com a pandemia, toda a precaução é pouca”, diz Gonçalo Mota, estafeta na margem sul do Tejo. “Tive um senhor que veio à porta com uma fita métrica, [penso que] por causa das distâncias”, conta. 

Já Fernando teve uma experiência diferente. “O cliente tinha pedido para deixar a comida no muro [da moradia], mas os cães estavam soltos, não achei que a comida fosse durar muito”, diz, entre risos. Acabou por tocar à campainha, anulando a intenção do cliente em evitar o contacto.

O distanciamento social, indicação que todos os cidadãos devem cumprir, é uma das bases para estes estafetas trabalharem. Entre as medidas de segurança adoptadas pela Uber está a opção de o utilizador escolher a opção de entrega à porta, para evitar o contacto com os colaboradores. Além do mais, garantiu a Uber ao P3, foram partilhadas com os parceiros “boas práticas de prevenção sanitária para a entrega de refeições ao domicílio, de maneira a incentivar que sejam tomadas as devidas acções de higiene e evitado o contacto físico em todos os momentos do processo”. Medidas semelhantes foram também postas em prática pela Glovo, que eliminou o processo de assinatura na recepção da encomenda, por exemplo, conforme indicou ao P3 Ricardo Baptista, gestor da empresa em Portugal.

Gonçalo Mota sublinha que também nos centros comerciais estas medidas são estritamente seguidas. “Temos todos de entrar de máscara. Os seguranças dizem-nos para não ficarmos todos juntos e há linhas no chão para esperarmos pelos pedidos”, descreve.

Para cumprir tudo é preciso investir em material. Segundo a responsável de comunicação da Uber, a empresa garante “um reembolso de até 25 euros a cada parceiro de entrega na compra de todos os produtos sanitários, mediante a apresentação de um recibo”, informação confirmada pelos estafetas. Um deles, inclusive, afirmou já ter recebido o valor respectivo. Já a Glovo oferece “apoio financeiro” aos estafetas diagnosticados com covid-19. 

Entre as duas aplicações existe uma diferença: a Glovo aceita pagamentos em dinheiro vivo, a Uber não. Apesar do surto de covid-19, a Glovo mantém essa opção; porém, recomendam “que o pagamento seja feito com cartão”. Caso tal não seja possível, a recomendação é que o cliente prepare “a quantia exacta para o estafeta” e use “um envelope, de modo a evitar o contacto”.

Quanto às entregas, a Uber não comenta o impacto que a covid-19 teve no negócio e as opiniões entre os estafetas também se dividem. Uns têm mais, outros menos. Os estafetas sentiram um aumento no volume de negócio na altura em que a Uber removeu a taxa de entrega — durante o estado de emergência, até 3 de Abril, em todos os pedidos, todos os dias —, aumento que a empresa não confirmou. Por outro lado, Ricardo Baptista, da Glovo, diz que “há, naturalmente, um aumento de pedidos no geral”. “É notória a tendência ao nível dos bens de primeira necessidade que a Glovo entrega, assim como de parafarmácia”, refere.

Sugerir correcção