A Primavera segue lá fora e essa liberdade tem muito para ensinar

Uns refugiaram-se na casa da aldeia, outros nunca de lá chegaram a sair. Encontram no campo a liberdade de uma quarentena privilegiada, redescobrem aves, lagoas, plantas. Mas também muitas questões a que a natureza pode ajudar a responder.

Zona ribeirinha
Fotogaleria
António Sá
Fotogaleria
António Sá
Fotogaleria
Nuno Diniz
Fotogaleria
Filipe Lucas Frazão

Ao fim do dia, quando fecha as portadas das janelas, Diane Gazeau já não dá por nenhum carro passar. A luz do café da aldeia está apagada, a esplanada vazia. É um “silêncio terrível”. Só se ouvem os pássaros, de vez em quando um cão a ladrar ao fundo, o vento, as trovoadas, a chuva. “Ouve-se o tempo, a noite.” Mais nada.