A perder a noção do tempo? “É preciso manter as rotinas”

Em confinamento começamos a perder a capacidade de nos localizarmos temporalmente. Os psicólogos recomendam manter as rotinas, em nome da saúde mental.

Foto
Em casa, em família, desde Março, começamos a perder a noção do tempo Charles Deluvio/Unsplash

Os dias passam e parecem todos iguais. Fechados em casa, mesmo em teletrabalho, para os pais, e ensino à distância, para os filhos, temos dificuldade em sabermos se hoje é sexta-feira e os fins-de-semana parecem-nos iguais à semana. “É normal e pode ter a ver com a falta de rotinas”, diagnostica o psicólogo Mário Silva.

A culpa é do “padrão de continuidade, sempre no mesmo contexto” em que vivemos por estes dias, continua o psicólogo clínico, acrescentando que “há uma tendência para que as coisas fiquem mais diluídas” e que seja mais difícil distinguirmos os dias. “Parecem todos iguais. Até a sexta-feira perdeu algum significado porque no dia a seguir temos que ficar, à mesma, em casa.”

A existência de horários para acordar, comer, dormir, trabalhar e para outras actividades ajuda-nos a manter a “regulação interna” e a “organizarmo-nos psicologicamente”. Por isso, Mário Silva recomenda que é fundamental manter algumas rotinas neste período de confinamento”.

O sono é uma das áreas mais afectadas com a nova realidade de estar em casa todo o dia. A falta de horários e exercício físico, e o excesso de trabalho e tempo passado frente aos ecrãs prejudicam o sono durante a quarentena.

Estar mais tempo em casa pode também significar um maior descuido quanto à alimentação. Num manual de recomendações quanto à nutrição em período de confinamento da Direcção-Geral de Saúde é também recomendado que se mantenha “a rotina das refeições diárias”, e, ao mesmo tempo, evitar snacks com excesso de açúcar e sal ao longo do dia.

Quanto ao teletrabalho, “é importante saber ‘desligar’”, recomenda Mário Silva, o que tem sido um desafio para muitos. “É verdade que o teletrabalho permite alguma flexibilidade para que as pessoas trabalhem durante a altura do dia em que preferem, mas é preciso saber quando parar. É essencial balizar estas actividades no tempo”, aconselha. Aliás, trabalhar a partir de casa pode levar a que os níveis de produtividade baixem, aponta o guia de apoio ao teletrabalho dos funcionários da administração pública, que foi lançado já esta semana. Se assim for, a chefia desse trabalhador deve ser compreensiva já que se está a trabalhar em condições excepcionais, aponta esse documento.

O mesmo, assim como a Ordem dos Psicólogos Portugueses (OPP), referem a importância de fazer uma separação entre o espaço de trabalho e o de lazer. “Isso seria num mundo ideal em que todos tivéssemos espaços separados em casa”, admite Mário Silva, que considera positivo se, em casa, for possível “arranjar um canto da sala e transformá-lo num local de trabalho”.

Trocar o pijama por uma roupa mais formal durante as horas de trabalho e depois voltar ao pijama ajuda a manter uma sensação de normalidade. Portanto, vestir-se para trabalhar deve fazer parte da rotina, aconselha o psicólogo. 

Quanto aos mais novos, a manutenção de rotinas e horários é “especialmente importante”, até porque estudar em casa não significa estar de férias. “Eles não estão habituados a ouvir os professores na sala de estar” e isso significa uma maior “responsabilidade dos próprios e das famílias que estão a apoiar”, relembra o psicólogo. A construção de planos semanais de trabalho e estudo para os mais novos, tendo em conta o contexto de cada família é uma das sugestões dadas aos pais pela OPP para enfrentar os desafios do confinamento.