Nos Primavera Sound Porto adiado para Setembro

Organização confirma adiamento da edição de 2020 do festival portuense depois de Primavera de Barcelona ter sido empurrado para o final de Agosto. Setembro é o futuro: “A nossa função na indústria da cultura e do entretenimento é tentar que as pessoas tenham um horizonte”.

Foto
Público no Nos Primavera Sound Nelson Garrido

O festival Nos Primavera Sound confirmou esta segunda-feira que a sua próxima edição, agendada para Junho no Parque da Cidade do Porto, terá afinal lugar no início de Setembro, seguindo assim na expectável peugada do Primavera de Barcelona, também adiado para o final de Agosto. “A nossa função na indústria da cultura e do entretenimento é tentar que as pessoas tenham um horizonte”, diz o director do festival, José Barreiro, ao PÚBLICO. E essa linha de futuro para os espectadores do Primavera está fixada entre os dias 3 e 5 de Setembro.

O cartaz previsto da edição 2020 do Nos Primavera Sound (Lana Del Rey, Beck, FKA Twigs ou Tyler, the Creator) transita assim para o final do Verão. Será um “Primavera no Verão, por uma vez na vida”, como se lê no comunicado publicado pelo festival no seu site. Os bilhetes já adquiridos para a nona edição do festival continuarão válidos em Setembro e a organização compromete-se, em parceria com os seus patrocinadores e após esta decisão tomada em coordenação com a Câmara Municipal do Porto, a pôr em campo os seus “melhores recursos para que esta mudança imposta pela crise de emergência médica afecte o mínimo possível a programação do festival”. A venda de bilhetes está suspensa e será retomada, diz ainda a organização, quando for ultrapassado o estado de emergência.

Para José Barreiro, “é importante que as pessoas possam pensar que isto [a suspensão da vida colectiva] tem um fim”. “Se calhar o mais fácil era cancelar”, diz ao PÚBLICO, “mas queremos acreditar que em Setembro haverá uma normalidade”. Caso esse cenário não se verifique e não haja em Setembro “condições” de segurança sanitária, “obviamente o Nos Primavera Sound não se realizará”, admite.

Mas o Primavera Sound não foi o único a nomear Setembro como o mês da retoma: em contraciclo com os sucessivos anúncios de cancelamentos ou adiamentos de espectáculos, soube-se também esta segunda-feira que a banda britânica de veteranas do rock Girlschool marcou um concerto em Lisboa, na sala RCA, para 8 de Setembro. A promotora, a Amazing Events, assume que “deseja, com este anúncio, enviar uma mensagem de esperança a todos os profissionais do mundo do espectáculo e fãs de música ao vivo”.

Um efeito-dominó

No calendário de concertos português, a notícia do adiamento do Primavera no Parque da Cidade do Porto surge dias depois do cancelamento da edição de 2020 do Festival Músicas do Mundo, que iria decorrer em Sines e Porto Covo entre 18 e 25 de Julho, e que só voltará a acontecer no próximo ano.

Com três dias de concertos entre 11 e 13 de Junho e tecnicamente ainda na Primavera, o Nos Primavera Sound marcava o início não-oficial do calendário de festivais do Verão de 2020, ainda que precedido pelo North Music Festival (22 e 23 de Maio na Alfândega do Porto) – cuja “organização continua a avaliar constantemente a situação e equaciona neste momento todos os cenários possíveis”, como escrevia no Facebook há dias.

O novo coronavírus está a gerar um verdadeiro efeito-dominó na indústria musical, afectando digressões de vários músicos em vários países e levando ao cancelamento de megafestivais como o de Glastonbury ou o Download.

Na agenda dos festivais mais concorridos e iminentes em Portugal segue-se o Rock in Rio Lisboa (20, 21, 27 e 28 de Junho), sabendo o PÚBLICO que, entre os vários cenários, está a ser ponderado também o do seu adiamento para uma data bem mais à frente. É que, além da decisão dos próprios promotores, pesam também a vontade dos músicos e as regras sobre viagens dos seus países de origem. A cabeça de cartaz do festival luso-brasileiro, Camila Cabello, já cancelou a sua digressão, por exemplo.

Os calendários das tournées podem de facto impossibilitar reagendamentos, pelo que será difícil garantir, nos casos em que há adiamento, a presença de todos os artistas originalmente anunciados. José Barreiro detalha que a definição de um cartaz final para o Primavera Sound 2020 “é um trabalho que está ainda ser feito e no fundo a nível mundial": “Estamos a tentar ao máximo que o cartaz seja o mais semelhante possível ao que foi anunciado”, sublinha porém. Em breve a organização quer revelar “todo o cartaz de Setembro”.

Na semana passada, o Ministério da Cultura anunciou uma série de medidas que abrangem promotores, salas de espectáculos e espectadores para fazer face à situação inédita de cancelamentos, adiamentos e incerteza relacionados com o estado de emergência e o fechamento de vários países, prevendo prazos para reembolsos para os afectados. Mas ainda assim a Associação de Promotores de Espectáculos, Festivais e Eventos (APEFE), sem deixar de congratular o Governo pelas medidas, considera-as “claramente insuficientes” num cenário em que o “sector parou a 100% a sua actividade”.

Sugerir correcção