Torne-se perito Opinião

A gripezinha de Bolsonaro

É inevitável que o Brasil entre brevemente em estado de epidemia generalizada. Os especialistas preveem um quadro muito pior que o da Itália. Nas cidades, os hospitais não terão camas. Nas favelas será um genocídio.

Asco. Repulsa. Nojo.

É o mínimo que o atual Presidente do Brasil, eleito pela população, suscita em qualquer pessoa com um resto de razão.

“Se eu não morri de uma facada, não é uma gripezinha que vai me matar” – foram as declarações de Bolsonaro sobre a covid-19, dias depois de abraçar multidões, desrespeitando a quarentena que lhe tinha sido imposta por médicos após ter viajado num avião com várias pessoas infetadas pelo novo coronavírus. Hoje já estão contaminados 22 membros da sua comitiva.

As palavras deste chefe de Estado a respeito da insignificância do coronavírus tiveram lugar há poucos dias, quando a doença já havia tirado a vida a mais de dez mil pessoas, quando dezenas de milhares se encontram entre a vida e a morte, quando equipas médicas em muitos países já não têm forças, quando se admite que milhões podem vir a morrer, inclusive no Brasil.

Com a sua prepotência ignorante, Bolsonaro acha-se superior a tudo isto. E os seus ministros não são melhores.

O ministro da Economia, face à crise iminente, ofereceu aos trabalhadores informais, que não poderão trabalhar durante o confinamento, cupões mensais de 200 reais (37 euros). Na mesma semana anunciou a possibilidade de despedimentos, até no setor público. Ontem, dia 23, Bolsonaro assinou o decreto que autoriza todas as empresas a suspender contratos de trabalho por quatro meses sem pagamento salarial.

O ministro da Justiça, suposto jurista, suposto juiz (condições desde logo incompatíveis com a sua participação num governo que celebra a sangrenta ditadura brasileira), já disse ser impensável retirar das prisões os indivíduos em risco de contrair a doença. Felizmente, neste último fim de semana, uma prisão de Santa Catarina já tomou decisões contrárias às diretrizes de Sérgio Moro. Ainda assim, é possível que aconteça aquilo que muitos brasileiros desejam, a começar pelo Presidente: grande parte do presos serão contagiados pela covid-19 e morrerão sem tratamento.

O ministro dos Negócios Estrangeiros, célebre pela sua ignorância e pela falta de diplomacia, defende agora face à China o petulante filho de Bolsonaro, quando este causa conflitos de Estado com tweets que acusam o governo chinês da disseminação do vírus no mundo.

O ministro da Saúde, que deveria ter planos para a contenção do vírus, quase nada fez até há uma semana. Começou a falar na televisão, com um discurso mais preocupado, mas também foi inicialmente desmentido e desdramatizado por Bolsonaro.

Nesse contexto, Bolsonaro e o seu governo ficaram mais frágeis.

Na última semana, os governadores dos Estados mais atingidos pela epidemia, São Paulo e Rio de Janeiro, tentaram contornar a inércia de Brasília e defenderam medidas locais de proteção (fecho de escolas, confinamento da população, fecho de fronteiras internas), semelhantes às que implementaram vários países.

O Presidente da República condenou imediatamente o alarmismo histérico destes governadores lunáticos e iniciou uma nova guerra. Proibiu o encerramento das fronteiras entre Estados, alegando ser catastrófico para a economia, e recusou que os voos internacionais fossem suspensos. A respeito do confinamento, não teve poderes para impedir as medidas, mas continua a fazer declarações delirantes: “O Estado não pode limitar as aglomerações religiosas!” (que no Brasil reúnem milhares de pessoas); “Quem sabe disso é o pastor, não é o Estado!”

É visível que nesta última semana o país desacelerou o ritmo. Os que têm meios começaram a ficar em casa. Os pobres continuaram a sua atividade, perguntando-se como vão sobreviver.

Ainda agora, Bolsonaro se assume como um ser iluminado, um protegido de Deus, ele é “o mito”, sempre em guerra contra as pretensões da ciência, que considera um instrumento político dos seus adversários.

Todos no Brasil sabem que Bolsonaro é indiferente ao extermínio dos índios, todos sabem que declarou na televisão preferir a morte de um filho a saber que era homossexual, todos conhecem as suas frases racistas e misóginas, todos sabem que defende com orgulho a ditadura brasileira e a tortura. Mas foi eleito.

Talvez, com as suas atitudes neste período, tenha perdido alguma credibilidade entre os seus apoiantes que vêem o desastre se aproximar. Nas última semanas, alguns aliados o condenaram, foram apresentados pedidos de impeachment. Organizam-se “panelaços” anti-Bolsonaro todas as noites. Mas não é certo que a população de fiéis que o elegeu o abandone. Até à data, nenhum ministro pediu demissão por julgar impossível estar num governo regido por um louco.

É como se o Governo brasileiro não tivesse noção de que Jair Bolsonaro é desprezado e considerado um demente pela comunidade internacional, por todos os chefes de Estado do mundo, e até mesmo por aqueles que vêem nele um fiel aliado. Mas, com a sua leviandade nesta crise de saúde, as coisas podem mudar.

O primeiro caso de morte por coronavírus no Estado do Rio de Janeiro é emblemático da cruel realidade do país. Trata-se de uma empregada doméstica, contagiada por uma patroa que regressou de Itália e que, apesar de se saber portadora do vírus, não dispensou a empregada e não a protegeu. Vários exemplos equivalentes se repetem numa sociedade que preserva um espírito escravocrata.

Até há dias, os testes para a covid-19 não faziam parte da política nacional de saúde. Terão sido só utilizados em regime privado, a um preço proibitivo. Os políticos em Brasília foram quase todos testados. Outros testes também serviram para confirmar a causa de óbitos hospitalares. A primeira vítima oficial do coronavírus no Brasil foi internada sem qualquer teste nem suspeita do novo vírus. O diagnóstico foi feito no cadáver. Logo de seguida, faleceram cinco pacientes graves no mesmo hospital.

Ainda hoje, não existem testes disponíveis para saber se as pessoas que chegam nos hospitais com incapacidade respiratória, febres e outros sintomas estão infetadas. Se os doentes não necessitam de internamento imediato, são mandados para casa, sem teste. Os testes nem chegam para a quantidade de médicos doentes. "Os testes rápidos foram encomendados”, disse há dias o ministro da Saúde.

Por outro lado, a estratégia de confinamento preconizada para evitar o contágio e já adotada por alguns Estados brasileiros (contra a vontade do Presidente) é tardia e pode não ter grande realismo num país com 80 milhões de pobres, que vivem sem condições sanitárias mínimas. Nas favelas do Rio de Janeiro, a vida social continuou até este último fim de semana. É inevitável que o Brasil entre brevemente em estado de epidemia generalizada. Os especialistas preveem um quadro muito pior que o da Itália.

Nas cidades, os hospitais não terão camas. Nas favelas será um genocídio.

Nesse contexto de hospitais saturados, é provável que o Exército seja chamado para gerir a situação – como já aconteceu em várias epidemias de dengue. O Exército pode criar hospitais de campanha, angariar pessoas e meios. Mas talvez não tenha apenas essa função.

Surpreendentemente, dentro desse caos, não é impossível que Jair Bolsonaro tente recuperar algum crédito. Afinal serão os militares, aqueles que tanto valoriza, que surgirão como heróis.

Só que os militares também podem encontrar uma forma de afastar do poder o Presidente mais irresponsável e criminoso que o Brasil alguma vez teve.

Todos sabem que o número de mortos no Brasil será enorme devido à irresponsabilidade do Governo federal e do Presidente. Mas ninguém consegue prever o futuro político do país.

O autor escreve segundo o novo acordo ortográfico

Sugerir correcção