Coronavírus: mais de 60% dos hotéis têm reservas canceladas no Algarve

Os empresários temem que a situação tombe para o descalabro: hotéis vazios em pleno verão, e restaurantes sem clientes

,Turismo
Fotogaleria
Coronavírus ameaça turismo Nuno Ferreira Santos
Fotogaleria
Miguel Manso

O sector turístico do sul receia o encerramento das unidades hoteleiras, e uma crise em cascata extensiva aos estabelecimentos similares de hotelaria. No final da semana passada, “mais de 60% dos hotéis têm reservas para os próximos três meses canceladas” afirmou o presidente da Associação dos Hotéis e Empreendimentos Turísticos do Algarve (AHETA), Elidérico Viegas.

A situação, sublinha, “é deveras preocupante pelo que está a suceder e, sobretudo, porque está a progredir negativamente”. Além dos cancelamentos, acrescenta, “não há vendas para o Verão.

A época da Páscoa é, por outro lado, a altura em que região é bastante procurada para a realização de congressos e eventos relacionadas com a promoção de marcas. “Cerca de 40% das marcações foram canceladas”, enfatiza. Os relatos que chegam através dos operadores internacionais, diz, é que as pessoas estão “mais preocupadas com a eventual contaminação no transporte aéreo e nos aeroportos”. 

Por seu lado, o presidente da Administração Regional de Saúde do Algarve (ARS), Paulo Morgado, disse ao PÚBLICO que a partir de hoje o Laboratório Regional de Saúde “está em condições de fazer o teste do covid-19”. Elidérico Viegas contrapõe: “Ainda estamos à espera do manual de procedimentos que pedimos às autoridades, no caso de termos hóspedes com sintomas [virótico]”.

No dia 27 de Fevereiro, a Associação da Hotelaria de Portugal (AHP) emitiu um comunicado no qual, entre outros assuntos, dizia que a Directora-Geral da Saúde se tinha comprometido a divulgar, dentro de dias,” uma orientação específica para a hotelaria, à semelhança das já divulgadas para as empresas, aeroportos, companhias aéreas, agências de navegação, autoridades marítimas e autoridades portuárias”.

Por parte do grupo Vila Galé, um dos maiores do sector a nível nacional, fonte oficial não revela números, mas diz que o novo corona vírus tem provocado “alguns cancelamentos ou adiamentos de eventos corporativos que já estavam previstos para Março”, e que se nota também “uma ligeira redução do número de reservas novas para os próximos meses”.

Diversos eventos têm sido cancelados, sejam de pequena ou grande dimensão, a começar pela Bolsa de Turismo de Lisboa (BTL), palco dos principais intervenientes do sector e que deveria ocorrer entre 11 e 15 de Março (foi adiada para o final de Maio).

TAP cancela mais 2500 voos

No espaço de quatro dias, a TAP reviu em alta o número de voos que irá suspender por causa do novo coronavírus, passando de cerca de mil para 3500 voos. “A evolução do vírus Covid-19 tem tido um comportamento singular, que não permite uma comparação com experiências passadas”, afirmou a transportadora aérea esta segunda-feira, com comunicado.

Esse, facto, diz, “obriga os agentes económicos a reavaliar permanentemente a situação, tomando medidas com base na melhor informação disponível a cada momento”. Para já, a empresa fala numa “crescente quebra na procura”, registada na última semana, o que obriga a proteger a sua sustentabilidade financeira.

Com base na informação que detém agora, a TAP diz que vai então reduzir a sua capacidade de oferta, “nos próximos meses”, em “mais 2500 voos, que somam aos 1000 já anunciados”. O cancelamento do total de cerca de 3500 voos representa “um ajuste na nossa oferta de 7% em Março, 11% em Abril e 19% em Maio”.

No documento enviado aos trabalhadores, a empresa diz que está a oferecer “maior flexibilidade” aos clientes, ao permitir “a alteração gratuita das viagens reservadas entre 8 e 11 de Março, para qualquer destino TAP em qualquer data até ao final do ano”.

No que diz respeito aos cruzeiros de passageiros, até ao momento, não houve nenhum cancelamento em Lisboa por causa do novo coronavírus, de acordo com as respostas enviadas ao PÚBLICO pela Administração do Porto de Lisboa (APL). Em relação a dados de chegadas, ainda não estão fechados os resultados de Fevereiro, mas os de Janeiro mostram a continuação da tendência de crescimento.

De acordo com a informação da APL, houve 20 escalas no primeiro mês do ano, contra 12 de idêntico período de 2019. Já em termos de passageiros, estes chegaram aos 31.028, o que representa uma subida de 75% face a Janeiro de 2019.

Ao nível das medidas de carácter económico, para compensar a quebra de receitas das empresas, - além da linha de crédito, anunciada pelo Governo -, o presidente da AHETA, Elidérico Viegas, sugere a abolição de portagens na Via do Infante: “Seria uma forma de promover o turismo de proximidade, atraindo os espanhóis que estão aqui ao lado”, justifica.

Cem milhões “não chegam”

Na semana passada, o primeiro-ministro anunciou, no Parlamento, a criação de uma linha de crédito para apoio à tesouraria de empresas afectadas pelo impacto do novo coronavírus. Já esta manhã, antes do encontro de concertação social destinado a discutir o impacto do vírus, o presidente da Confederação do Turismo Português (CTP), Francisco Calheiros, considerou que esse apoio financeiro não chega. “A linha é manifestamente insuficiente, 100 milhões não chegam”, afirmou, citado pela Lusa.

O responsável da CTP não falou de números, mas admitiu, segundo a Lusa, que o cenário piorou na última semana com cancelamentos de viagens, especialmente no que diz respeito a grupos.

Já o presidente da Confederação Empresarial de Portugal (CIP), António Saraiva, afirmou que alguns sectores da economia estão já a ter problemas nas suas cadeias de abastecimento, nomeadamente no têxtil, algum sector automóvel e calçado, além do turismo. É preciso, afirmou, citado pela Lusa, “ir fatiando as medidas em função daquilo que for a realidade concreta”.

Notícia corrigida: onde se lia que mais de 60% das reservas foram canceladas, passou a estar “mais de 60% dos hotéis têm reservas canceladas”. Uma correcção feita pelo próprio presidente da AHETA, a que o PÚBLICO é alheio. Ainda assim, pelo ocorrido, pedimos desculpa aos leitores e aos visados

  • Descarregue a app do PÚBLICO, subscreva as nossas notificações e esteja a par da evolução do novo coronavírus: https://www.publico.pt/apps