Torne-se perito

Um espectáculo para Mário Moutinho, uma “cara familiar”

A vida e a carreira de Mário Moutinho, actor, produtor e programador, está no centro de Little B, a nova produção da companhia Visões Úteis.

Mário Moutinho, Francisca Neves e Carlos Costa em <i>Little B</i>
Fotogaleria
Mário Moutinho, Francisca Neves e Carlos Costa em Little B José Caldeira
Fotogaleria
Little B, uma produção Visões Úteis José Caldeira
Fotogaleria
Little B, uma produção Visões Úteis José Caldeira
Fotogaleria
Little B, uma produção Visões Úteis José Caldeira

Houve um tempo em que Mário Moutinho (Porto, 1946) sonhou ser baterista. E o que queria mesmo era tocar ao vivo o solo instrumental Little B, que a banda britânica The Shadows incluiu no seu segundo álbum, Out of the Shadows (1962). Mas, nesses tempos iniciais da pop, o que a juventude queria era ter música para dançar, e uma bateria a solo não era a banda sonora mais prometedora.

A vida e a carreira deste actor portuense, conhecido pelo seu trabalho no teatro, no cinema e na televisão, mas também produtor e programador, desenrolou-se praticamente sempre no “lado b” das grandes produções e dos grandes papéis. Mas manteve-se sempre em cena – e aí continua –, tanto em cima dos palcos como nos bastidores, tanto no grande como no pequeno ecrã, nas salas de formação como nos circuitos de divulgação. E a companhia portuense Visões Úteis achou que a vida de Mário Moutinho dava… um espectáculo de teatro.

Assim nasceu Little B, uma co-produção com o Teatro Municipal do Porto, o Teatro Académico de Gil Vicente (TAGV), em Coimbra, e o Teatro Diogo Bernardes, em Ponte de Lima, onde teve estreia no passado dia 8 de Novembro. Esta quarta-feira, e depois de uma visita a Setúbal, chega ao pequeno auditório do Rivoli, no Porto, para depois prosseguir até Coimbra.

A ideia do espectáculo surgiu na sequência do trabalho de preparação do livro O Teatro Semiprofissional no Porto. Arte, activismo e experimentalismo nos anos 70 e 80, em que Mário Moutinho e a jornalista Luísa Marinho fizeram o levantamento da movida teatral da cidade nessas décadas finais do século passado. Juntamente com a publicação, editada pela Afrontamento, e complementada por uma exposição e por um ciclo de debates no Espaço Mira, Little B vem agora completar um projecto também pessoal do actor. “Não queríamos que o espectáculo fosse uma retrospectiva documental da minha vida, daquilo que já fiz ou ainda não fiz”, explica Moutinho ao PÚBLICO no final de um ensaio no Rivoli.

Ana Vitorino, actriz e co-encenadora da peça, acrescenta que o objectivo foi pegar na experiência pessoal e profissional de Mário Moutinho para “falar da situação do artista”, neste caso, a partir de alguém que, independentemente da idade que tem, “está sempre a questionar-se, a reinventar-se e a fazer pontes, a ensinar e a dar lugar aos mais jovens”.

Little B é uma criação em loop: começa com a desmontagem de um espectáculo, com os actores a rebobinarem um filme, a retirarem os filtros de cor dos holofotes, a arrumarem os adereços. Nesse cruzamento de tarefas e nesse ambiente de descompressão da cena, os actores (Mário Moutinho e Ana Vitorino, ao lado de Carlos Costa e de Francisca Neves, esta em substituição de Sara Barros Leitão no elenco actual – todos em nome próprio) contam histórias, recordam episódios, reflectem sobre a vida no teatro e sobre as coisas da cultura em geral.

A certa altura, Mário diz que tem agora “mais receio de entrar em palco do que no início”, quando, com toda a energia, arriscava tudo e se atirava “de cabeça”. Daí que veja agora a desmontagem como “um alívio”. Mas quem conhece a personagem na vida real (e também nos diferentes palcos) sabe que isso não é verdade.

Little B, de resto, joga muito também no efeito de reconhecimento da figura e da voz inconfundíveis de Mário Moutinho– a esse nível, será interessante ver como reagirá o público a alguém que lhe é “familiar”, seja do Guarda Serôdio da série Os Amigos do Gaspar (anos 80) ou do Marcial d’Os Andrades (anos 90), duas produções da RTP-Porto, seja do elenco de Vai no Batalha (1993), do Teatro de Marionetas do Porto.

Em Setúbal, testemunha Ana Vitorino, houve quem comentasse “a cara deste senhor é-me familiar”. O Visões Úteis espera, de resto, que Little B continue a funcionar “mesmo para as pessoas que não têm essas referências”, acrescenta Carlos Costa. O também actor e co-encenador deseja que, qualquer que seja o palco, os espectadores se divirtam tanto quando o grupo se divertiu a preparar e a montar esta produção. “Cada vez mais o espectáculo que o Mário queria fazer se tornou no espectáculo que nós quisemos fazer”, diz.

Little B vai manter-se em cena no Rivoli até ao próximo domingo, dia 19, integrado no programa do 88.º aniversário do teatro, seguindo, no dia 24, para o TAGV. Em Setembro, integrará o Festival Muscarium, em Sintra.

Sugerir correcção