Está lançado o manifesto para a candidatura da Dieta Atlântica a Património da UNESCO

O documento, que une entidades de Portugal e Espanha, assume um compromisso em defesa dos oceanos e foi apresentado no Porto este sábado, Dia do Mar, o mesmo dia em que a Confraria da Dieta Atlântica se deu a conhecer ao público.

Foto
André Rodrigues

É um compromisso que não se esgota na salvaguarda e reconhecimento da dieta atlântica em si, estendendo-se, também, à defesa dos oceanos e dos ecossistemas. O “Manifesto Pela Defesa dos Oceanos e da Dieta Atlântica” foi lançado este sábado, no âmbito do Melting Gastronomy Summit, a decorrer na Alfândega do Porto. Um documento que assume o propósito de conseguir que, a exemplo da Dieta Mediterrânica em 2013, a Dieta Atlântica seja reconhecida como Património Cultural Imaterial da Humanidade e que pretende envolver o maior número de entidades e cidadãos.

Nascido em pleno Dia Nacional do Mar (16 de Novembro), o manifesto prevê uma intervenção em três áreas principais: “comportamento, educação e dieta alimentar”. Na primeira, inclui-se a “defesa determinada pela preservação dos oceanos, exortando os cidadãos, as empresas e os Estados a encontrarem e estabelecerem um código de conduta e um plano de intervenção”, é especificado. Ao nível da educação, é sugerida uma revisão dos “curricula dos diferentes escalões de ensino e formação, por forma a privilegiar uma relação mais profunda e qualificada com os oceanos e a imersão de novas competências decorrentes dessa nova relação”.

Na área da dieta alimentar surge, então, a proposta de elaborar um “estudo aprofundado da Dieta Atlântica como portadora de uma cultura e de um receituário de reconhecido valor e o seu reconhecimento internacional pela forma como protege a saúde e dignifica o alimento”. O objectivo maior, reconhece o documento, passa por “mobilizar todas as entidades envolvidas para o objectivo de reconhecer a Dieta Atlântica como Património Cultural Imaterial da Humanidade”.

O compromisso foi lançado no mesmo dia em que foi também apresentada a Confraria dos Embaixadores da Dieta Atlântica, que é constituída por cinco entidades espanholas e quatro portuguesas. AGAVI (Associação para a Promoção da Gastronomia, Vinhos, Produtos Regionais e Biodiversidade), AEP (Associação Empresarial de Portugal), Instituto Politécnico de Viana do Castelo e Instituto Politécnico de Bragança, são as entidades nacionais que integram o grupo de embaixadores.

Do lado de lá da fronteira, associaram-se a esta missão a Confederación Empresarial de Ourense, Confederación de Empresários de Lugo, Confederación de Empresários de Ponte Vedra, Centro Tecnolóxico da Carne e a Anfaco-Cecopesca (Asociación Nacional de Fabricantes de Conservas de Pescados).

Duas novidades que estão a marcar o terceiro e último dia do Melting Gastronomy Summit, promovido pela AGAVI. O evento chega este sábado ao fim, depois de três dias de conversas, showcookings, provas, mercado de produtos portugueses, exibição de filmes e de arte.

Pela Alfândega do Porto passaram mais de 30 oradores, entre os quais Jay Rayner, crítico gastronómico do The Observer e do The Guardian, e Chad Robertson, co-fundador e chef da icónica Tartine Bakery, em São Francisco. Do leque de convidados fizeram ainda parte os chefs Andre Chiang do Taiwan, Alex Atala e Roberta Sudbrack do Brasil, ou os portugueses João Rodrigues, Miguel Rocha Vieira e Noélia Jerónimo, para além de participantes da área do vinho (Filipa Pato, Dirk Niepoort ou George Sandeman) ou do pão (Diogo Amorim, da Gleba, ou Paulo Sebastião, da Isco).

Sugerir correcção