Nem só de conversa é feito o primeiro Congresso Internacional de Gastronomia no Porto

A Alfândega recebe de quinta a sábado especialistas de renome. Também terá um mercado com mais de cem produtos, provas de vinhos e experiências gastronómicas.

Foto
Um prato de bacalhau do chef João Rodrigues, um dos oradores no certame Enric Vives-Rubio

Está já tudo a postos para a primeira edição do Melting Gastronomy Summit, que junta mais de 30 oradores nacionais e internacionais para reflectir sobre a gastronomia. Durante três dias, na Alfândega do Porto, as atenções estarão centradas na alimentação, num programa que não se esgota nas conversas e debates. Também estão previstas provas, showcookings, almoços e jantares, exibição de filmes, arte, e ainda um mercado de produtos portugueses. O primeiro Congresso Internacional de Gastronomia de Portugal arranca esta quinta-feira e estende-se até sábado.

A avaliar pela procura já registada, nomeadamente através das inscrições nas talksque serão moderadas por Miguel Esteves Cardoso, Ricardo Dias Felner, Nuno Queiroz Ribeiro e José Diogo Albuquerque –, a organização espera casa cheia. Num programa que junta nomes como os de Jay Rayner, crítico gastronómico do The Observer e do The Guardian, e Chad Robertson, co-fundador e chef da icónica Tartine Bakery, em São Francisco, estão prometidos vários pontos altos. Entre as “estrelas” encontram-se ainda os chefs Andre Chiang do Taiwan, Alex Atala e Roberta Sudbrack do Brasil, ou os portugueses João RodriguesMiguel Rocha Vieira e Noélia Jerónimo. Há também participantes de áreas como os vinhos (Filipa PatoDirk Niepoort ou George Sandeman) ou do pão (Diogo Amorim, da Gleba, ou Paulo Sebastião, da Isco).

PÚBLICO - Alex Atala
Alex Atala Miguel Manso
PÚBLICO - Noélia Jerónimo
Noélia Jerónimo Melanie Maps
Fotogaleria
Miguel Manso

Um dos momentos altos do evento acontece no último dia do encontro, sábado, e consistirá na oficialização da Confraria da Dieta Atlântica. O objectivo é candidatar a dieta atlântica a Património Imaterial da Humanidade e nada melhor do que aproveitar o Dia Nacional do Mar (16 de Novembro) para oficializar o projecto que junta nove parceiros – portugueses e galegos –, e entre os quais se inclui a AGAVI (Associação para a Promoção da Gastronomia, Vinhos, Produtos Regionais e Biodiversidade), entidade promotora do Melting. Ainda que tenha por base a dieta mediterrânica, já classificada como Património Mundial, a dieta atlântica tem um maior enfoque no mar, no consumo de peixe, marisco e dos produtos plantados à beira do Atlântico.

Um mercado com mais de cem produtos

O Melting Market, que vai funcionar ao longo dos três dias do evento, é outra das apostas fortes do programa. Cerca de 40 marcas e mais de 150 produtos nacionais e internacionais relacionados com a indústria agro-alimentar estão representados neste mercado. Neste espaço vai ser possível provar e comprar “produtos gastronómicos que vão desde os vinhos, acessórios de cozinha e mesa, livros e vários objectos que possam ser usados na mais perfeita experiência gastronómica”. “A entrada tem o preço simbólico de cinco euros, que inclui um copo, dois euros para compras nos expositores e um euro reverte para o Banco Alimentar Contra a Fome”, destaca António de Souza-Cardoso, presidente da AGAVI.

Também estará disponível um Melting Lab, com nove apresentações de cozinha, por dia (limitadas ao espaço de lugares na assistência), e um espaço reservado à arte – com a apresentação de uma instalação artística da autoria de Ricardo Nicolau de Almeida (intitulada Supertrump) e a instalação sensorial de uma food designer holandesa (The trEATment). Destaque, ainda, para a proposta do Melting Moovies, experiência que combina filmes e gastronomia: durante o evento, será exibida uma amostra de filmes curtos premiados no Devour! The Food Film Fest, o maior festival de filmes gastronómicos do mundo. 

Mais do que um congresso, a realizar com uma periodicidade bienal, “o Melting pretende ser um movimento” com “acções que se vão estendendo para além do programa do congresso”, acrescenta António de Souza-Cardoso.

Sugerir correcção