A “maior obra ferroviária dos últimos 100 anos” tem hoje a sua terceira cerimónia de lançamento

Pedro Nuno Santos preside esta segunda-feira em Elvas à cerimónia de consignação de mais um troço da linha Évora-Badajoz, depois de eventos idênticos em Março de 2018 e Fevereiro de 2019. Três cerimónias para uma obra que mal começou.

Transporte ferroviário
Foto
A linha que vai ainda ser modernizada, com Elvas ao fundo, em setembro de 2018 NUNO VEIGA/LUSA

O ministro das Infra-estruturas e Habitação, Pedro Nuno Santos, não quis falhar a cerimónia de consignação da empreitada de construção do troço ferroviário entre o Alandroal e Elvas, que hoje tem lugar nesta cidade. Trata-se de uma secção de 30 quilómetros que será integrada no corredor Sines–Badajoz e que foi adjudicada à Sacyr por 130,5 milhões de euros.

Já em Fevereiro deste ano o seu antecessor, Pedro Marques, e o primeiro-ministro António Costa tinham presidido à adjudicação de outro troço do mesmo projecto (designado Corredor Internacional Sul), desta vez no Redondo, para marcar o arranque das obras na secção Évora Norte – Freixo, numa extensão de 20,5 quilómetros.

Mas um ano antes, em Março de 2018, o mesmo primeiro-ministro e o seu ministro das Infra-estruturas tinham estado em Elvas para celebrar o lançamento do concurso público do mesmo troço Évora Norte – Freixo, o qual contou até com a presença do chefe do Governo espanhol Mariano Rajoy e da comissária europeia da mobilidade, Violeta Bulc.

Em todos os discursos a mesma tónica: esta é a maior linha férrea dos últimos 100 anos. Vai ligar Évora e Elvas, custará 530 milhões de euros e servirá essencialmente para o transporte de mercadorias entre Sines e Espanha.

PÚBLICO -
Aumentar

Mas a velocidade a que se sucedem os eventos festivos contrasta com o atraso do próprio projecto, o qual já deveria estar concluído no terceiro trimestre de 2019 mas ainda mal começou. Neste momento só há obras (e apenas de desmatação) num troço de 30 quilómetros entre Freixo e Alandroal, iniciando-se esta semana as do troço Alandroal – Elvas.

Se tudo correr bem, a expectativa da Infra-estruturas de Portugal é que a nova linha esteja terminada em Dezembro de 2023, quatro anos depois do previsto.

Até lá há ainda várias empreitadas para serem lançadas (e iguais oportunidades para se fazerem festas) pois as que foram consignadas limitam-se aos trabalhos de terraplanagens e construção de pontes e viadutos. Faltam depois as obras de superestrutura de via (carris, postes, catenárias) e as de sinalização.

Mas, para já, o que está previsto é o desbravar do terreno onde será assente a tal maior linha férrea do último século e que a Infra-estruturas de Portugal dividiu em quatro secções: Évora – Évora Norte, Évora Norte – Freixo, Freixo – Alandroal, e Alandroal – Elvas (a ligação Elvas – Badajoz já existe). O objectivo foi estimular a concorrência e dividir obra por vários empreiteiros.

Com a assinatura de hoje (130,5 milhões de euros para o troço Alandroal – Elvas) passam a estar consignados 252 milhões de euros para realizar obra em três dessas secções. Em falta está o primeiro troço entre a actual estação de Évora e Évora Norte, porque foi necessário fazer alterações ao projecto devido à contestação da população e da autarquia ao traçado previsto, que aproveitava o mesmo canal da antiga linha Évora – Vila Viçosa (encerrada em 1990).

Devido a este atraso, a empreitada daquele troço, além das terraplanagens e da construção de viadutos e pontes, vai incluir também o assentamento da superestrutura em toda a linha até Elvas, ou seja a colocação das travessas, brita, carris e catenária na totalidade dos subtroços.

Segue-se uma terceira empreitada para instalar a sinalização e telecomunicações. Esta última, a cargo da Thales, abrangerá a linha Évora – Elvas e também o troço Caíde – Régua, na linha do Douro, bem como a linha da Beira Alta (que terá toda a sua sinalização substituída).

A Infra-estruturas de Portugal prevê que estas obras venham a ter 3000 trabalhadores entre meados de 2020 e finais de 2021 quando todos os troços estiverem a ser construídos.

A sua conclusão permitirá uma ligação ferroviária directa do porto de Sines (e de Setúbal) a Badajoz sem ter que passar pelo Entroncamento, Abrantes e Portalegre até chegar a Elvas. Um encurtamento de 140 quilómetros em cada sentido que permitirá aumentar a competitividade do caminho-de-ferro e embaratecer o transporte de mercadorias.

No entanto, a infra-estrutura prevista aceitará também comboios de passageiros e, com a liberalização do sector, tanto pode ser a CP, como a Renfe, ou qualquer outro operador a aproveitar a nova linha. Usando comboios convencionais, Badajoz ficará a duas horas de Lisboa. E de Évora àquela cidade demorar-se-á apenas 30 minutos. Com horários adequados aos comboios de Badajoz para Madrid (que em breve serão feitos em alta velocidade), a capital espanhola ficará mais perto de Lisboa.