Alentejo vai ter 3000 trabalhadores na construção da linha Évora – Elvas

Primeiro-ministro assina hoje no Redondo a adjudicação dos primeiros 20 quilómetros da “maior obra ferroviária dos últimos 100 anos”

Foto
Pedro Marques na linha do Tua, em vésperas da viagem até ao Alentejo para novo evento público ligado à ferrovia. LUSA/PEDRO SARMENTO COSTA

São só 20,5 quilómetros, mas é o início da construção da famosa linha Évora – Elvas que vai completar o corredor Sines – Badajoz, um eixo essencial para o transporte ferroviário de mercadorias entre Portugal e Espanha. Trata-se do troço Évora Norte – Freixo, cuja cerimónia de adjudicação da empreitada de construção – no valor de 46,6 milhões de euros – é presidida esta segunda-feira de manhã, no Redondo, pelo primeiro-ministro, António Costa.

Este troço vai ser construído por um consórcio formado pela Comsa, Fergrupo e Constructora San José. Segue-se, antes de Abril, a adjudicação do segundo troço, numa extensão de 30 quilómetros, entre Freixo e Alandroal, cujo concurso público foi ganho pela Mota-Engil. Antes de Maio, será assinada a empreitada da secção Alandroal – Elvas, com também cerca de 30 quilómetros, para a qual se posicionaram os espanhóis da Sacyr.

Em falta ficará um pequeno troço entre Évora e Évora Norte, que se tem atrasado devido à contestação da população e da autarquia eborense, que discordam do traçado próximo de núcleos residenciais.

O Governo tem anunciado a linha Évora – Elvas como a maior obra ferroviária dos últimos 100 anos. Em rigor, nos anos imediatamente anteriores ao Euro 2004 foi muito maior o montante de investimento na ferrovia para a modernização das linhas. Mas, considerando a construção de linha nova, esta é claramente a maior extensão de via férrea que será acrescentada ao mapa ferroviário nos últimos 100 anos.

Embora construída em via única, a nova linha será assente numa plataforma de via dupla, o que permitirá no futuro proceder à sua duplicação se tal se tornar necessário. O investimento global está estimado em 476 milhões de euros e quando os três troços estiverem em construção estima-se que haverá 3000 trabalhadores empregues directamente nas obras. Com o emprego indirecto, a maior obra ferroviária prometida por este Governo vai ter um impacto significativo na economia do Alentejo.

Obra só para 2021

O Plano de Investimentos Ferrovia 2020, apresentado em 2016, previa que a construção desta linha férrea tivesse começado em inícios de 2018 por forma a ser inaugurada em finais de 2019. O atraso deverá ditar que a empreitada só se concretize no início de 2021.

Mas estes reveses não impedem o primeiro-ministro e o ministro Pedro Marques de facturarem desde já duas apresentações públicas do projecto. A primeira foi em Janeiro do ano passado, quando António Costa se encontrou em Elvas com o seu homólogo espanhol Mariano Rajoy para assinalar o lançamento do concurso público destes mesmos 20,5 quilómetros de nova linha que serão adjudicados esta segunda-feira.

O segundo acto de autopromoção governamental é esta segunda-feira, e os discursos deverão repetir a importância desta linha para completar o corredor Sines – Badajoz, que vai encurtar em cerca de 200 quilómetros a ligação ferroviária entre aquele porto e a cidade fronteiriça. Actualmente este percurso é feito pelo Entroncamento e Abrantes até à fronteira do Caia.

O projecto vai permitir um aumento da capacidade diária na saída de Sines dos actuais 36 comboios de 400 metros de comprimento para 51 comboios diários de 750 metros, o que corresponde a um acréscimo de capacidade de duas vezes e meia a actual.

A linha não terá estações de passageiros entre Elvas e Évora, mas está prevista a construção de uma estação para mercadorias sensivelmente a meio do percurso para captar carga da região, eventualmente ligada à exportação de mármores.

Quanto aos passageiros, nada impede que, a qualquer momento, se decida construir cais de embarque em determinado ponto, mas o traçado da linha passa longe das aglomerações urbanas.

O Ferrovia 2020 está com uma taxa de execução dos investimentos inferior a 9%, mas o Governo diz que, contando os projectos que estão em fase de concurso, esse valor atinge os 40%, esperando este ano adjudicar centenas de milhões de euros de empreitadas em todo o país.

Com Pedro Marques de saída (deverá ser o cabeça-de-lista do PS às eleições europeias), depois de se notabilizar pelas acções de autopromoção que faziam crer que o plano ferroviário ia de vento em pompa, será a vez de Pedro Nuno Santos, que, como o PÚBLICO avançou, deverá assumir o Ministério do Planeamento e das Infra-estruturas, o substituir nas futuras adjudicações. No entanto, em ano de eleições parece ser agora a vez de António Costa tomar a dianteira e capitalizar o lançamento das obras ferroviárias.