Microsoft regressa aos telemóveis com um modelo de dois ecrãs e sistema Android

O Surface Duo é um aparelho dobrável com dois ecrãs, que podem ser usados lado a lado, como se fossem apenas um.

,Corporação Microsoft
Fotogaleria
Microsoft
,Corporação Microsoft
Fotogaleria
Microsoft
Fotogaleria
Microsoft
,Corporação Microsoft
Fotogaleria
Microsoft
Fotogaleria
Microsoft
Fotogaleria
Microsoft

Depois de ter tido pouco sucesso no passado, a Microsoft anunciou que vai voltar ao negócio dos telemóveis. Esta quarta-feira, a empresa norte-americana apresentou o Surface Duo, um smartphone dobrável com dois ecrãs que funcionam em conjunto e que chegará ao mercado algures em 2020. Só que em vez de uma versão do Windows Phone (o antigo sistema operativo para os telemóveis da Microsoft), o sistema operativo do novo Surface Duo será o Android do Google, utilizado na maioria dos telemóveis em todo o mundo. 

A notícia chega três anos depois do Google e da Microsoft terem concordado em desistir de queixas que mantinham uma contra a outra em tribunal por violação das regras da concorrência.

“Com o Surface Duo estamos a construir a partir do Android para unir tecnologia de ponta ao nível do hardware com um software e serviços que já é familiar em telemóveis”, explicou Eran Megiddo, vice-presidente responsável pela secção de produtos e de educação da Windows, num comunicado sobre o novo telemóvel.

A empresa de Redmond, EUA, junta-se assim à sul-coreana Samsung e à chinesa Huawei que em 2019 também apresentaram telemóveis com mais do que um ecrã. Contrariamente às outras versões, o modelo da Microsoft não tem um ecrã que se dobra, uma nova tecnologia que sem ser lançada já tinha causado problemas: o modelo da Samsung foi adiado devido a ecrãs que se danificavam com o uso durante testes da imprensa.

A Microsoft propõe um aparelho que parece um mini-portátil fechado e que se abre para mostrar dois ecrãs, lado a lado que funcionam em conjunto. É possível arrastar documentos de um lado ao outro do ecrã, ou expandi-los ao longo dos dois ecrãs. Ao dobrar o telemóvel, com a capa para dentro, também se pode utilizar os ecrãs mais pequenos de forma separada.

De volta à corrida?

Depois de ganhar a guerra dos computadores pessoais nos anos de 1980 e 1990, e de ter tornado o Windows no sistema operativo dominante, a Microsoft chegou tarde demais ao mercado dos telemóveis. Lançado em 2010, o sistema da Microsoft não conseguiu competir com o Android e o iOS (lançados em 2006 e 2007). Em 2014, tentou novamente juntar-se à corrida com a compra da divisão de telemóveis da Nokia, que passariam a vir com o sistema Windows Phone, mas a estratégia não resultou e em 2017 a Microsoft desistiu de desenvolver o seu sistema operativo para telemóveis, em parte devido à falta de oferta de aplicações para a plataforma.

Com o interesse dos consumidores a orientar-se para telemóveis num formato dobrável – que torna possível que o aparelho caiba no bolso e, em simultâneo, permita aceder a conteúdo multimédia num formato maior – a Microsoft vê uma nova oportunidade de adicionar smartphones à sua gama de tablets e portáteis Surface. A Microsoft regressa quando os consumidores estão a demorar mais tempo a mudar de telemóvel. Dados de Julho da IDC mostram que foram enviados menos 2,3% de smartphones para retalho em 2019 face ao mesmo período em 2018. É o equivalente a menos oito milhões de unidades.

A nova parceria entre a Microsoft e o Google também mostra como as duas empresas enterraram a guerra sobre leis de concorrência na União Europeia. Na era de Steve Balmer, o antigo presidente executivo da Microsoft, a tecnológica passou anos a fazer campanha contra o poder do Google na Europa. Em 2013, um grupo de 17 empresas tecnológicas, entre as quais a Microsoft, apresentou uma queixa junto da Comissão Europeia que acusava o Google de estar a usar a posição dominante do sistema operativo Android para promover outros produtos e serviços da empresa. Com Satya Nadella, presidente executivo da Microsoft desde 2014, as empresas têm desenvolvido uma relação mais amigável, com aplicações da Microsoft a estarem disponíveis tanto para Android como para o sistema operativo do iPhone.

Por ora, há pouco detalhes sobre o Surface Duo: os ecrãs mais pequenos terão 5,6 polegadas, juntando-se os dois numa área de ecrã de 8,3 polegadas – uma dimensão que ganha em tamanho às versões desdobráveis da Samsung e da Huawei, que têm 7,3 e 8 polegadas respectivamente.

Esta quarta-feira, a empresa também apresentou o Surface Neo, uma tablet desdobrável, maior que o Surface Duo e que pode ter um teclado anexado (no formato maior), mas não permite chamadas telefónicas. Este modelo dobrável funcionará com o Windows 10x que é uma versão modificada do Windows 10 para aparelhos dobráveis.