Telemóvel dobrável da Huawei tem um ecrã que se transforma noutros dois

É maior, mais fino e mais caro do que o da Samsung. O equipamento vai custar 2299 euros e deve chegar a Portugal em Junho.

Foto
Em Portugal, onde a Huawei é líder no mercado de smartphones, a data de lançamento está prevista para Junho Reuters/SERGIO PEREZ

A Huawei lançou um telemóvel 5G cujo ecrã que se dobra, juntando-se na corrida à Samsung que, na semana passada, foi a primeira fabricante a lançar um aparelho do género.

O modelo da Huawei, o Mate X, foi apresentando no palco da Mobile World Congress (MWC), a feira anual em Barcelona dedicado ao sector dos telemóveis. Vai estar disponível a partir de meados de 2019, por 2299 euros (são cerca de 500 euros a mais do que o modelo dobrável da Samsung).

PÚBLICO -
Foto
O Mate X só tem um ecrã Reuters/Sérgio Perez

Apesar de o conceito ser idêntico, os aparelhos das duas fabricantes têm várias diferenças. Enquanto o telemóvel da Samsung tem dois ecrãs (um mais pequeno no exterior, como a capa de um livro, e um maior no interior), o da Huawei é ligeiramente mais fino e só tem um ecrã, de oito polegadas, que se dobra, transformando-se em dois ecrãs autónomos, um de cada lado do telemóvel. Um dos ecrãs tem 6,6 polegadas e o outro, 6,3 polegadas. É ao lado deste mais pequeno que estão as câmaras.

“O nosso aparelho dobrado tem seis polegadas. Um ecrã com 4,6 polegadas é muito pequeno para utilizar. O nosso é mais conveniente”, comentou Richard Yu, director executivo para a área de consumo da Huawei, em palco, numa referência ao modelo da Samsung.

O duplo ecrã também permite que ao tirar fotografias com o telemóvel dobrado a pessoa que está a ser fotografada possa ver o resultado em tempo real. "É mesmo muito conveniente. Posso tirar uma fotografia vossa, e vocês vêem-se. É um dos benefícios do ecrã", disse Yu que também descreve o aparelho como "o melhor telemóvel para selfies, porque é a câmara traseira que as tira."

PÚBLICO -
Foto
Andreu Dalmau/Lusa

Apesar do preço superior do Mate X, o telemóvel vem com menos câmaras que o rival Fold (há quatro, em vez das seis da Samsung). Como já é hábito, as câmaras foram desenvolvidas pela alemã Leica, com quem a Huawei tem uma parceria há três anos. 

Em Portugal, onde a Huawei é líder no mercado de smartphones, a data de lançamento está prevista para Junho.

Dados da analista IDC, referentes ao último trimestre de 2018, mostram que o número de telemóveis vendidos caiu 5%. As vendas da Samsung e a Apple têm encolhido, mas as da Huwaei subiram 44% naqueles três meses (e 34% no total do ano).

Por mais de dois mil euros, o novo Mate X também mostra a tendência para as fabricantes lançarem topos de gama cada vez mais caros. Em 2016, por exemplo, a versão mais cara do topo de gama da Huawei, o Mate S, foi lançada por 649 euros.

As novidades da Huawei também chegam numa altura em que a fabricante chinesa, é alvo de escrutínio de vários governos.

Nos EUA, a fabricante tecnologia chinesa foi acusada de representar uma ameaça à segurança do país. A controvérsia tem estado a aumentar desde que a China e os EUA estão envolvidos numa guerra comercial. A Austrália e a Nova Zelândia também já impediram fornecedores locais de utilizar componentes da Huawei nos seus produtos por receio de espionagem. E em Dezembro, Bruxelas pediu aos países da União Europeia para reflectirem sobre os riscos de entregar a rede 5G – a quinta geração de redes móveis – a empresas chinesas como a Huawei. É uma preocupação que o Governo português parece não partilhar.

Actualizado 17h25, 25 de Fevereiro: Foi acrescentada a data prevista para o lançamento do Mate X em Portugal.