Crimes sexuais no futebol: muitas acusações, raras condenações

Neymar é o mais recente futebolista a ser acusado de violação. Grande parte das investigações não acaba em condenação, mas Robinho e Adam Johnson foram sentenciados a penas efectivas de prisão.

,FC Barcelona
Foto
Neymar foi o mais recente envolvido num caso de abusos sexuais LUSA/CHRISTOPHE PETIT TESSON

Neymar, jogador do Paris Saint-Germain e capitão da selecção brasileira, é acusado de ter violado uma mulher em Paris. O jogador brasileiro terá obrigado a vítima a ter relações sexuais num quarto de hotel da capital francesa. A queixa foi apresentada junto das autoridades brasileiras em São Paulo, com o jogador a negar a acusação de violação e a garantir que a relação terá sido consentida. Na tentativa de provar que a relação entre ambos tinha sido consentida, Neymar divulgou as mensagens que trocou com a mulher, das quais fazem parte algumas imagens íntimas. A unidade da polícia responsável por crimes informáticos intimou o jogador a prestar declarações na sexta-feira.

O brasileiro junta-se a uma já longa lista de futebolistas acusados de crimes sexuais. Enumeramos aqui os casos mais recentes, bem como a situação actual dos respectivos processos.

Cristiano Ronaldo

A 28 de Setembro de 2018, Kathryn Mayorga, uma norte-americana de 34 anos, veio a público acusar de violação o futebolista português Cristiano Ronaldo, durante um encontro em 2009, num hotel de Las Vegas, nos EUA.

PÚBLICO -
Foto
Internacional português foi acusado de violação por norte-americana JOSE COELHO / LUSA

A história do encontro foi contada numa entrevista à revista alemã Der Spiegel. A norte-americana afirma que o jogador português a terá obrigado a praticar sexo anal. Mayorga terá pedido repetidamente para Cristiano Ronaldo parar, no quadro de uma relação até ali consentida — mas o jogador terá continuado e forçado o acto. Revelou ainda que o internacional português lhe terá dito após a relação sexual que era “um bom rapaz 99% das vezes” e que não sabia “de onde vinha o 1%”. Publicamente, Ronaldo nega as acusações.

Na altura, a mulher terá sido persuadida por uma advogada pouco experiente a optar pela mediação extrajudicial, que acabou com um pagamento de 375 mil dólares (cerca de 323 mil euros) do jogador à norte-americana. Em troca, assinou um acordo de confidencialidade que a proibia de nomear o jogador português no âmbito do caso, incluindo durante as sessões de psicoterapia a que foi posteriormente submetida.

Neste momento, a equipa de defesa de Mayorga tenta que o acordo assinado entre ambas as partes seja considerado nulo. Michael McCan, vice-reitor da Universidade de Direito de New Hampshire, explicou ao The Independent que não é comum a anulação destes acordos pelos tribunais norte-americanos. A rejeição da mediação extrajudicial permitiria a abertura de um novo processo-crime relativo aos acontecimentos de 2009. Qualquer decisão relativamente a esse pedido deverá demorar vários anos. No entanto, e à margem desse diferendo legal, a polícia de Las Vegas está a investigar o caso.

Adam Johnson cumpriu metade da pena

O antigo internacional inglês Adam Johnson foi condenado, em Março de 2016, por assédio sexual a uma menor de 15 anos. O antigo jogador de Manchester City, Middlesbrough e Sunderland foi libertado em Março, depois de ter passado três anos na prisão.

O jogador foi acusado de quatro crimes de actividade sexual com uma menor. Johnson admitiu ter beijado a rapariga e tê-la assediado online, mas refutou sempre a acusação de ter mantido relações sexuais com a jovem. Seria apenas ilibado dessa acusação, recebendo uma sentença de seis anos pelos restantes crimes. 

Adam Johnson saiu em liberdade após ter cumprido metade da pena, tentando dar seguimento à carreira interrompida em 2016.  

De Gea e Muniain ilibados

No dia do pontapé de saída do Euro 2016 — e num momento em que a selecção espanhola já se encontrava em estágio para a competição — uma notícia do Eldiario.es revelava que uma mulher acusava o guarda-redes David de Gea e o avançado Iker Muniain de abuso sexual.

Os futebolistas viram-se envolvidos num processo de abuso e tráfico de seres humanos para exploração sexual que visava, em primeira instância, o produtor de cinema pornográfico Ignacio Allende Fernández, também conhecido como “Torbe”.

Segundo a versão da queixosa — que numa segunda fase indicou o guarda-redes do Manchester United como o “promotor” do encontro que decorreu no quarto de hotel —, os pedidos dos futebolistas terão sido integralmente satisfeitos, surgindo só depois as alegadas ameaças e a exigência de que nada fosse gravado “para não afectar as carreiras” de ambos. A queixa refere agressões “físicas e sexuais” e vários tipos de ameaças.

PÚBLICO -
Foto
Escândalo abalou selecção espanhola VINCENT KESSLER / REUTERS

Apesar de as autoridades terem atribuído “um alto grau de veracidade” a esta versão dos acontecimentos — visto ter existido um registo de troca de mensagens de WhatsApp entre os dois jogadores e o produtor pornográfico —, os futebolistas foram considerados inocentes, dois meses após a acusação inicial.

Robinho condenado a nove anos de prisão

As autoridades italianas deram como provado que o jogador brasileiro Robinho violou uma mulher de origem albanesa numa discoteca em Milão. O jogador foi condenado a nove anos de prisão.

A sentença foi proferida em 2017, numa altura em que Robinho representava o Atlético Mineiro. O caso remonta a 2013, quando o jogador alinhava pelo AC Milan. A decisão judicial expressa que cinco homens “abusaram das condições de inferioridade psíquica e física” da mulher, que se encontrava claramente embriagada, “inconsciente e incapaz de se opor”.

PÚBLICO -
Foto
Jogador foi condenado a nove anos de prisão, mas recorreu da sentença STRINGER Italy / PÚBLICO

O facto de estar a representar um clube brasileiro acabou por impedir a sua detenção, visto que o Brasil não permite a extradição para Itália. O jogador recorreu entretanto da decisão das autoridades transalpinas, e o processo ainda corre nos tribunais.

Benzema e Ribéry absolvidos

Os jogadores franceses Franck Ribéry e Karim Benzema foram absolvidos num caso em que eram acusados de terem recorrido aos serviços de uma prostituta menor de idade.

O envolvimento ocorreu em momentos distintos: Ribéry admitiu ter mantido relações sexuais com Zahia Dehar — que, na altura dos acontecimentos, tinha 17 anos — mas garantiu não ter conhecimento de que a jovem era menor. A adolescente terá viajado para Munique na altura do 26.º aniversário do futebolista. 

De acordo com o relato de Zahia, a jovem terá conhecido Benzema em 2008, numa discoteca parisiense. As relações sexuais teriam lugar no quarto de hotel do internacional francês. Karim Benzema negou qualquer encontro com a jovem. A própria admitiu em tribunal ter enganado os jogadores sobre a sua idade, com os procuradores a não encontrarem motivos suficientes para acusarem os jogadores, que acabariam por ser absolvidos. 

PÚBLICO -
Foto
Benzema negou qualquer encontro com a jovem SUSANA VERA / REUTERS

Van Persie detido durante 14 dias

A 14 de Junho de 2005, o avançado, então com 21 anos, representava os ingleses do Arsenal, quando foi detido pelas autoridades holandesas em Roterdão, durante uma visita ao seu país natal.

PÚBLICO -
Foto
Van Persie representava o Arsenal em 2005 EDDIE KEOGH / REUTERS

Robin Van Persie era acusado de violação por uma modelo nigeriana, com quem tinha sido visto alguns dias antes da detenção. O jogador esteve detido durante duas semanas até receber autorização para regressar a Inglaterra.

O processo acabaria por ser arquivado por falta de provas e o jogador ilibado de todas as acusações.