Mikhail Kornienko veio a Portugal explicar como é passar 340 dias no espaço

É um dos seres humanos que mais tempo passou na Estação Espacial Internacional e esteve no Porto para inagurar uma réplica do Sputnik-1, o primeiro satélite a ser lançado da Terra e que marcou o início da corrida espacial. Pelo meio, o cosmonauta Mikhail Kornienko falou sobre a vida num local onde se vê o planeta Terra da janela.

Fotogaleria
O cosmonauta Mikhail Kornienko ADRIANO MIRANDA
Fotogaleria
A réplica do satélite Sputnik ADRIANO MIRANDA
Fotogaleria
ADRIANO MIRANDA
Fotogaleria
ADRIANO MIRANDA
Fotogaleria
ADRIANO MIRANDA
Fotogaleria
ADRIANO MIRANDA

Não os conseguiu contar pelos dedos das mãos, nem de perto nem de longe. Ao todo, o cosmonauta russo Mikhail Kornienko chegou a passar 516 dias, dez horas e um minuto a bordo da Estação Espacial Internacional (ISS, na sigla em inglês). Em 2010, foi ao espaço pela primeira vez a bordo da nave Soiuz TMA-18, para uma estadia de 176 dias. Entre 2015 e 2016, juntou-se ao norte-americano Scott Kelly na “One Year Mission”, da qual resultou aquela que é até hoje a estadia mais longa de uma equipa na estação, num total de 340 dias. 

Foi a propósito de um projecto de Rui Moura, professor da Faculdade de Ciências da Universidade do Porto que o cosmonauta esteve esta sexta-feira numa palestra organizada por aquela instituição. O docente construiu um modelo à escala real do Sputnik-1​, o primeiro satélite lançado da Terra e que marcou o início da corrida espacial.

A iniciativa desta sexta-feira marcou não só a inauguração do projecto do docente e a sua oferta à faculdade onde lecciona, mas também a vinda do cosmonauta a Portugal. Mikhail Kornienko, uma das pessoas que mais tempo passou a bordo da ISS a par com Scott Kelly, veio falar da sua perspectiva de vida no espaço.

Sobre o que o inspirou a ser cosmonauta, Mikhail Kornienko, de 58 anos, diz que foi um conjunto de factores, entre eles a viagem de Iuri Gagarine, o cosmonauta responsável pelo primeiro voo espacial tripulado da história. “O meu pai era piloto de um helicóptero militar e fazia parte de uma equipa de salvamento e resgate, talvez também seja daí. Na minha infância, todos os rapazes e raparigas sonhavam ser cosmonautas. E eu também”, diz.

Quando Kornienko, cosmonauta da agência espacial russa Roscosmos,​ recebeu o convite, simplesmente não conseguiu dizer que não. Tinha esperado 20 anos entre o primeiro pedido e a ida efectiva ao espaço. Para o cosmonauta, o regresso à Terra foi provavelmente o período mais difícil da experiência, uma vez que as condições de baixa gravidade lhe causaram estranheza, dores nas costelas e nas costas e um mal-estar geral. “A determinada altura da viagem, nada depende da tripulação e tudo se torna mais perigoso, tanto na ida como na volta, isto era o que mais me punha nervoso. Depois de abrir o pára-quedas já ficava mais relaxado e quando aterrávamos, apesar de o impacto não ser suave, era um alívio conseguir respirar o ar da Terra”, conta o cosmonauta.

PÚBLICO -
Foto
ADRIANO MIRANDA

“A Terra é redonda”

Questionado sobre o que sentiu da primeira vez que viu a Terra do espaço, Kornienko confirmou que era redonda. A plateia ri com a ironia do cosmonauta, mas depois silencia-se para o ouvir dizer que ao fim de 20 anos de expectativas tinha chegado finalmente ao cosmos.

Durante a sua estadia no espaço, o engenheiro afirmou que assim que a nave se juntou à Estação Espacial Internacional quis logo voltar a casa. Apesar da pressão da missão, Mikhail Kornienko garante que não voltaria à Terra a não ser que fosse essencial, uma vez que existiam milhares de pessoas que tinham depositado confiança no trabalho que estava ali a desenvolver.

Do tempo que passou sem os pés assentes no chão, Kornienko começou a formar a opinião que a humanidade é uma experiência suicida. “Percebi que tratamos muito mal o nosso planeta e nesse aspecto mudei desde que lá estive. Agora, em todas as minhas intervenções, apelo a toda a gente que comece por si própria porque não podemos ter ilhas de plástico no oceano. É uma visão terrível.”

Durante a sua estadia na ISS, ele e outros astronautas foram alvo de várias experiências médicas na área da medicina, biologia, psicologia e capacidade de reacção e memória. Os contributos desses testes ainda não são conhecidos, mas Kornienko garante que​ este tipo de projectos pode ajudar todos aqueles que vão viajar para o espaço daqui para frente a superar todas as dificuldades dos voos cósmicos. “Este foi um passo pequeno em direcção a Marte”, garante, acrescentando que se fosse convidado iria mais um ano para o espaço.

Quando lhe perguntaram o que sentiu mais falta da Terra, menciona a Terra em si, os rios ou as folhas. O cosmonauta acabou por arranjar forma de combater a saudade. “Pedi para me enviarem imagens da Terra, não da perspectiva que eu tinha, mas da de quem lá estava em baixo e colei-as em toda a estação espacial. Também me enviaram vários áudio como os sons de uma aldeia, o cacarejar dos galos e o barulho dos trovões ou da chuva.”

Para descansar no seu tempo livre, os astronautas tinham acesso a uma biblioteca de filmes, podiam falar com a família e amigos, fazer desporto, ou ouvir música, um elemento que estava sempre presente quer fosse música clássica ou rock. “No entanto, eu não gostava de descansar porque o espaço não é bom para isso. Quando se trabalha o tempo passa rápido”, diz. 

A iniciativa desta sexta-feira serviu também para comemorar o Dia Internacional do Voo Espacial Tripulado e aniversário do primeiro voo espacial levado a cabo por Iuri Gagarine a 12 de Abril 1961. O evento, organizado em colaboração com o conselheiro cultural da embaixada russa em Portugal, insere-se nas comemorações dos 240 anos de relações entre os dois países.

“​Misha”​

No livro Endurance – Um Ano no Espaço, Uma Vida de Descobertas, de Scott Kelly, o astronauta que acompanhou Kornienko na viagem que terminou em 2016, há várias referências ao cosmonauta russo, lá apelidado de Misha. O norte-americano descreve Misha como sendo “informal, sossegado e contemplativo”. Scott Kelly diz que, apesar dos conflitos passados entre as duas nações, os norte-americanos e os russos se dão sem problemas na ISS – ainda que vivam e trabalhem em módulos separados a maior parte do tempo. “Fazemos um esforço para conhecermos e respeitarmos a cultura dos outros”, escreve Kelly. E, para ele, a ISS é “o projecto internacional mais longo da história, em tempo de paz”.

Há todo um processo que os astronautas devem seguir antes de entrarem na cápsula que os levará ao espaço. É feita uma lavagem aos intestinos, há todo o tipo de cuidados para não levarem germes para o espaço, vestem um fato especial. Antes de partirem, sentem o “peso da tradição”: horas antes de ir ao espaço, em 1961, o cosmonauta soviético Iuri Gagarine – que com 27 anos se tornou o primeiro homem a viajar no espaço fazendo uma órbita completa à Terra – pediu para encostar o autocarro para urinar. Agora, todos os astronautas têm de o fazer no mesmo sítio – mesmo que a fingir.

Para Kornienko não existem para já voos planeados, mas há uma viagem especial a ser preparada: depois de 62 anos do primeiro satélite artificial ter ido para espaço, há agora uma réplica à escala real do Sputnik- 1 que vai andar a saltar de departamento em departamento da Faculdade de Ciências do Porto.