Bolsonaro não duvida que nazismo foi um movimento de esquerda

“Não há dúvida. Partido Socialista… Como é que é? Da Alemanha. Partido Nacional Socialista da Alemanha”, disse Bolsonaro depois de ter sido questionado se concordava que o nazismo foi um movimento de esquerda.

,Rui Águas
Fotogaleria
O Presidente brasileiro Jair Bolsonaro durante uma cerimónia de homenagem no Museu do Holocausto, em Jerusalém ABIR SULTAN/LUSA
Fotogaleria
ABIR SULTAN/LUSA
Fotogaleria
ABIR SULTAN/LUSA
,Reuters
Fotogaleria
RONEN ZVULUN/Reuters
Fotogaleria
ABIR SULTAN/LUSA

Após uma visita ao Museu do Holocausto em Jerusalém, nesta terça-feira, o Presidente brasileiro Jair Bolsonaro sublinhou “não ter dúvidas” de que o nazismo foi um movimento de esquerda.

De visita a Israel, Bolsonaro fez parte, nesta terça-feira, de uma cerimónia de homenagem aos seis milhões de judeus que morreram durante o Holocausto no Museu Yad Vashem, em​ Jerusalém.

No mesmo dia, o Presidente brasileiro terá participado num encontro com membros da comunidade brasileira em Israel, ocasião que terá aproveitado, segundo o jornal Folha de S. Paulo, para falar sobre as mudanças a que o Brasil assistiu desde que foi eleito e para lembrar o seu voto a favor do impeachment de Dilma Rousseff. À data, Bolsonaro justificou o seu voto invocando a “memória do coronel Carlos Alberto Brilhante Ustra”, ex-chefe do órgão de repressão política da ditadura, condenado por tortura.

Questionado sobre o facto de ter recordado esse momento numa altura em que o Brasil debate a celebração dos 55 anos do golpe militar de 1964 – e após uma tentativa de ignorar o tema –, Bolsonaro irritou-se com os jornalistas presentes no local, afirmando que “essas perguntas menores só dão manchetes negativas em jornais”, cita o jornal Folha de S. Paulo.

“Não há dúvida”

Porém, momentos mais tarde, questionado pelos jornalistas sobre se concordava com as declarações do ministro das Relações Exteriores brasileiro Ernesto Araújo que, dias antes, tinha voltado a associar o nazismo a um movimento de esquerda, Jair Bolsonaro disse “não haver dúvida”, ecoando as palavras do ministro.

“Não há dúvida. Partido Socialista… Como é que é? Da Alemanha. Partido Nacional-Socialista da Alemanha”, respondeu Bolsonaro, referindo-se ao nome oficial do partido nazi (Partido Nacional-Socialista dos Trabalhadores Alemães).

A visita de Jair Bolsonaro ao memorial do Holocausto (Yad Vashem), em Jerusalém, foi divulgada nas redes sociais, desencadeando uma discussão pública sobre a posição que o movimento nazi ocupa no espectro político, com a palavra Holocausto a ser mencionada várias vezes no Twitter, de acordo com o site do jornal O Estado de S. Paulo.

Segundo Marcos Guterman, jornalista e historiador brasileiro ouvido pelo mesmo jornal, com estas declarações Bolsonaro pretende “responder a um pensamento do eleitor”.

A visita do Presidente brasileiro a Jerusalém tornou-se uma missão de negócios, com a diplomacia brasileira a sugerir que será parte da “nova embaixada” do Brasil naquela cidade disputada entre palestinianos e israelitas. “Eu amo Israel”, declarou Jair Bolsonaro, em hebraico, ao lado de Benjamin Netanyahu, o primeiro-ministro israelita que se submete a umas legislativas antecipadas a 9 de Abril.