Alemanha ainda sem sinais positivos preocupa resto da zona euro

A travagem que se desejava temporária da indústria alemã afinal persiste no arranque de 2019. Economias da zona euro, incluindo a portuguesa, podem sair afectadas.

Foto
LUSA/FELIPE TRUEBA

E se a travagem brusca registada na Alemanha na segunda metade do ano passado, que quase colocou a maior economia da zona euro em recessão técnica, afinal não for temporária? A questão, que pode ter implicações sérias para todos os países do euro incluindo Portugal, ganhou força esta segunda-feira quando se tornaram claros os sinais de que o início de 2019 não afastou o cenário de crise que se vive na indústria alemã e que esta continua a sofrer com os efeitos do abrandamento global, da disrupção do sector automóvel, das guerras comerciais e da ameaça de um Brexit desordenado.

O indicador que veio reforçar os receios em torno da saúde da economia alemã foi o da produção industrial de Janeiro. Ao contrário da subida de 0,5% que era antecipada em média pelos analistas inquiridos pela agência Reuters, aquilo que aconteceu foi uma inesperada queda de 0,8%.

Apesar de parte do resultado encontrar explicação na revisão em alta que foi feita relativamente aos dados de Dezembro, esta nova quebra da indústria alemã em Janeiro revela que a travagem na economia a que se assistiu na segunda metade de 2018 se pode estar a prolongar para o início deste ano. Se tal se confirmar, cai por terra a teoria de que o abrandamento alemão é apenas temporário e sem consequências de maior para as outras economias da zona euro.

Os primeiros sinais de alerta em relação à evolução da economia alemã começaram a surgir no Verão do ano passado. É nas exportações que a Alemanha tem baseado o forte crescimento da última década, mas esta receita de sucesso começou a ser afectada nessa altura por uma conjugação de factores negativos. A política proteccionista de Donald Trump baixou as expectativas em relação ao comércio mundial, a hipótese de um Brexit desordenado ganhou força, a economia mundial deu sinais claros de abrandamento e o sector automóvel alemão, que é fulcral para o andamento da economia, teve de se debater com dificuldades conjunturais e estruturais importantes.

No terceiro trimestre de 2018, o PIB alemão registou uma queda e no quarto trimestre estagnou. Uma recessão técnica (definida como duas descida trimestrais do PIB consecutivas) não aconteceu por muito pouco.

Entre os analistas, a dúvida tem estado em saber se os resultados negativos da segunda metade de 2018 se podem estender por 2019. Entre os mais optimistas salienta-se o facto de um acordo entre os EUA e a China poder desanuviar o ambiente ao nível do comércio industrial e defende-se que os factores temporários que afectaram o sector automóvel se vão deixar rapidamente de sentir.

No entanto, agora, com este primeiro sinal surpreendentemente negativo dado pela indústria alemã em Janeiro, uma visão mais pessimista ganhou argumentos.

Esta segunda-feira, o jornal Handelsblatt noticiou que o executivo alemão se prepara para, pela segunda vez em dois meses, rever em baixa a sua previsão de crescimento económico deste ano, para 0,8%. Na semana passada, a OCDE reviu a sua previsão para 0,7%.

Mário Centeno, a falar esta segunda-feira, como presidente do Eurogrupo em Bruxelas, reconheceu que o abrandamento da economia da zona euro está a ser “um pouco mais longo do que o esperado”, antecipando um “ritmo moderado” de crescimento.

Efeitos em Portugal

De facto, o peso da economia alemã na zona euro faz com que uma redução do ritmo de actividade tenha um impacto imediato e significativo nos outros países do bloco. A par com a revisão das previsões de crescimento da economia alemã tem-se assistido a uma diminuição, quase na mesma medida, dos números estimados para o total da zona euro.

Isto é particularmente relevante numa altura em que havia a expectativa de uma recuperação da procura interna alemã, devido às actualizações salariais mais generosas e à aceleração do investimento público prometida por Berlim. Se a economia abrandar muito, existe o risco de a procura alemã não acelerar como se esperava, afectando as exportações dos outros países.

Portugal, que tem a Alemanha como um dos principais destinos das suas exportações não escaparia, nesse cenário, a um impacto negativo. Um motivo de preocupação, numa altura em que a economia portuguesa abranda, precisamente por causa do menor ritmo das exportações.

No quarto trimestre de 2018, a economia voltou a abrandar, com as exportações a registarem uma variação nula face ao período homóloga do ano passado. E esta segunda-feira, foi revelado que o indicador compósito da OCDE para a economia nacional (que tenta antecipar a evolução do PIB) manteve em Janeiro uma trajectória descendente, caindo para o seu valor mais baixo dos últimos seis anos.

Na zona euro, a resposta a estes sinais de abrandamento voltou a caber, numa primeira instância, ao Banco Central Europeu. Ao mesmo tempo que reviram em baixa as previsões de crescimento, Mario Draghi e os seus pares anunciaram que as taxas de juro não irão subir dos seus níveis mínimos pelo menos até ao final deste ano (mais seis meses do que o prometido anteriormente) e lançaram uma nova série de empréstimos de longo prazo a taxa de juro zero para os bancos.

Sem sinais de mudança na política orçamental, é neste novo adiamento da normalização da política monetária que está a principal esperança para contrariar os sinais de abrandamento que vão sendo dados pela economia.