Ramiro, os segredos da cervejaria que conta histórias

A cervejaria O Ramiro é uma instituição lisboeta. Alexandra Prado Coelho e Paulo Barata revelam em livro os segredos de um sucesso ímpar, ao mesmo tempo que percorrem seis décadas de história da capital.

Fotogaleria
Paulo Barata
Fotogaleria
Paulo Barata

Da pequena casa de pasto dos anos 1950 à instituição que é hoje, o Ramiro, no número 1 da Almirante Reis, é daqueles lugares de que qualquer lisboeta, pelo menos, já ouviu falar. E a história da cervejaria vai para lá do espaço entre paredes: encontra-se nas memórias de quem lá trabalhou ou de quem por lá sabe que não há nada mais falso do que a ideia de não ser possível reviver um bom momento. Mas a história do Ramiro também está no montado espanhol (onde crescem os porcos ibéricos que dão origem ao presunto Cinco Jotas, servido em fatias bem finas), nas águas de onde vem o melhor marisco, nos viveiros de amêijoas de Olhão, na ria de Aveiro onde são apanhadas as ostras, na cerveja bem tirada, no lote de café…

Por isso, um livro sobre O Ramiro nunca podia ser só um livro sobre a cervejaria. E este não o é. A dupla Alexandra Prado Coelho (jornalista do PÚBLICO), que assina os textos, e Paulo Barata, responsável pelas imagens, decidiu ir mais longe e partir à descoberta de todos os pequenos detalhes que fazem do Ramiro uma instituição, percorrendo sessenta anos de idas e vindas, de altos e baixos, de maior ou menor projecção, de laços fiéis criados com os melhores fornecedores. Sempre na senda de conquistar novos clientes, recebendo-os como se estes já o fossem antes de o serem. Pelo meio, conta-se ainda um bom naco da história da capital.

A obra, lançada a 28 de Fevereiro, pode descrever-se como uma decomposição de todos os ingredientes que entram no cozinhado do reconhecido sucesso. A começar pelo percurso de Ramiro (1931-2009), da forma como se perdia pelo futebol, pelos automóveis ou, mais tarde, pela caça. Mas também da sua visão de negócio e de sentido de oportunidade, da sua capacidade, desde cedo, para conquistar a simpatia das peixeiras da praça onde ia e que lhe viria a valer sempre os melhores espécimes de mariscos.

Paralelamente, enquanto ia criando um espaço único na Almirante Reis, transformando a casa de pasto do pai e de um compadre deste num conceito mais próximo do que idealizara, apaixonou-se por uma rapariga, também galega, que vivia na vizinhança. E foi ao lado de Maria Albina Seoane, conhecida por Maruja, que viria a conquistar o sucesso, passo a passo. Dizia, conta o livro, que ele tinha as ideias e ela fazia as contas – o que, na sua visão, fazia deles uma dupla imbatível. E foram-no. Ao mesmo tempo que constituíram família (tiveram u­m filho e uma filha - foi a última, Ana, que, em conjunto com o marido Pedro, assumiu as rédeas da cervejaria), criaram outra família na marisqueira, onde os funcionários não ficavam de passagem, mas uma vida.­ Afinal, lemos, “o sabor da vida depende de quem a tempera”.