Movimento dos portos do continente baixou 3,5 % em 2018

Relatório da Autoridade da Mobilidade e dos Transportes contabilizou 93 milhões de toneladas e atribuiu as quebras à diminuição de importação de petróleo.

Carros da Autoeuropa no Porto de Leixoes, por causa da greve dos estivadores do porto de Setúbal
Foto
Carros da Autoeuropa no Porto de Leixoes, por causa da greve dos estivadores do porto de Setúbal Paulo Pimenta

Ainda não foi em 2018 que os portos do continente atingiram a fasquia dos 100 milhões de toneladas movimentadas. Esse número quase mágico, atirado como possível e desejável, e que serve também para mostrar a necessidade de investir no aumento da capacidade dos terminais portuários, ficou de novo adiado: o volume total de cargas movimentadas nos portos do continente ficou nas 93 milhões de toneladas, o que desenha um recuo global de 3,5% face a 2017. Porém, tal não significa propriamente uma má notícia absoluta, uma vez que o recuo é basicamente determinado pelas reduções de importação de Petróleo Bruto e de Carvão. 

Já a carga contentorizada quase atinge um volume de três milhões de TEU (unidade de medida equivalente a um contentor de 20 pés), registando a marca mais elevada de sempre. O Porto de Sines continua a ser o principal responsável por este desempenho, já que cresceu 2,5% face a 2017 e atingiu a sua quota máxima de 58,6%.

Na carga contentorizada, Leixões e Sines alcançaram as suas melhores marcas com 667,5 mil TEU e 1,75 milhões, respectivamente, superiores em cerca de 5% aos seus valores de 2017. O desempenho destes dois portos beneficiou naturalmente das perturbações laborais que marcaram Lisboa, Setúbal e Figueira da Foz, que fecharam o ano registando quebras respectivas de -13,5%, -19,1% e -23,2%. 

De acordo com a Autoridade da Mobilidade e dos Transportes, no que diz respeito ao volume global de carga movimentada, apenas os portos de Aveiro e Faro registaram desempenhos positivos. Os restantes portos registaram um movimento globalmente inferior a 2017, com destaque para Sines (menos dois milhões de toneladas), Lisboa (menos 913,4 mil toneladas) e Setúbal (-443 mil toneladas).

As reduções de importação de Petróleo Bruto e de Carvão foram, respectivamente, de -1,63 e -1,25 milhões de toneladas, e a exportação de Produtos Petrolíferos caiu 1,38 milhões de toneladas.

 “Tendo como perspectivas os diversos mercados, verifica-se que as variações negativas mais fortemente condicionadoras do desempenho do sistema portuário são registadas em Sines, no seu conjunto do Petróleo Bruto, Carvão e Produtos Petrolíferos, um valor correspondente a -50,8% do total de carga ‘perdida’ pelo conjunto de mercados.”, lê-se na informação disponibilizada pela AMT.