Sonda japonesa recolhe amostras de asteróide para desvendar os primórdios do sistema solar

A Hayabusa, "falcão" em japonês, foi lançada em 2014. Em Junho entrou na órbita do asteróide Ryugu, mas só agora conseguiu recolher amostras. Deverá regressar com elas no final do próximo ano.

Fotogaleria
Ilustração da sonda Hayabusa 2 e do asteroíde Reuters
Fotogaleria
O momento do lançamento da sonda, em Dezembro de 2014 Reuters/KYODO
Fotogaleria
Ilustração da sonda Hayabusa 2 e do asteroíde Reuters
Fotogaleria
O professor Yuichi Tsuda junto a uma imagem da aterragem da sonda Hayabusa 2 no asteróide Ryugu Reuters/KYODO
Fotogaleria
Imagem da superfície do asteróide Ryugu JAXA/LUSA

A 27 de Junho, a sonda Hayabusa 2 chegou ao asteróide Ryugu para recolher amostras que permitissem estudar a origem e evolução do nosso sistema solar. Esta quinta-feira, quase oito meses depois, a sonda japonesa conseguiu tocar com sucesso no asteróide e recolher amostras que serão trazidas para a Terra e analisadas por cientistas. O feito da Hayabusa 2 é o seu primeiro grande sucesso desde Dezembro de 2014, data em que a sonda japonesa foi lançada em direcção à órbita do asteróide. 

Os cientistas que irão analisar as amostras recolhidas esperam encontrar informações sobre a composição original do nosso sistema solar, de forma a compreender a formação dos planetas e as condições que permitiram o aparecimento de vida na Terra. No entanto, terão de esperar até 2020 para o fazer. É para essa data que está agendado o regresso da sonda Hayabusa 2. O fim da missão deverá acontecer apenas em Dezembro do próximo ano, quando a sonda espacial voltar à Terra. A aterragem está planeada para Woomera, no Sul da Austrália.

O contacto entre a sonda japonesa e o asteróide aconteceu na noite desta quinta-feira, pelas 23h30 (hora de Lisboa), a uma distância de 300 milhões de quilómetros da Terra. A confirmação foi feita com base na alteração da velocidade e direcção da sonda, explicou a Agência de Exploração Aeroespacial do Japão (JAXA).

O momento foi transmitido em directo a partir da sala de controlo da equipa da Agência de Exploração Aeroespacial do Japão. Nela, dezenas de membros acompanhavam com atenção os dados da sonda e não controlaram os expectáveis aplausos quando a sonda entrou em contacto com o asteróide.

As informações recolhidas serão agora armazenadas dentro da sonda até ao seu regresso, mas a porta-voz da agência espacial japonesa, Chisato Ikuta, garantiu que tudo indica que a missão será concluída com sucesso, uma vez que os dados recebidos na sala de controlo mostram que “a sonda continua a funcionar saudável e normalmente”.

“Estou bastante aliviado. Os momentos que antecederam o contacto pareciam intermináveis”, declarou um dos responsáveis pela missão, Makoto Yoshikawa, citado pelo jornal britânico Guardian.

A sonda disparou ainda um projéctil para o asteróide Ryugu, com o objectivo de agitar os materiais à sua superfície para recolher amostras. A missão planeia disparar mais dois projécteis, acrescentou Yoshikawa. O investigador japonês acredita que os materiais recolhidos se traduzam em “novas descobertas na ciência planetária”.

A aposta neste asteróide baseia-se na convicção de que contenha quantidades relativamente grandes de matéria orgânica e água que recuam à formação do sistema solar, há cerca de 4600 milhões de anos. O Ryugu pertence a uma das mais primitivas famílias de materiais do nosso sistema solar. “Este é o material que não foi transformado em planetas, foi deixado para trás”, contextualiza John Bridges, professor de ciências planetárias na Universidade de Leicester, no Reino Unido.

O Ryugu, considerado um asteróide antigo, foi descoberto em 1999. Tem menos de um quilómetro de diâmetro e está classificado como um asteróide do tipo C – rico em carbono. Demora pouco mais de ano para dar uma volta ao Sol. Já para girar sobre si próprio só precisa de cerca de sete horas e meia e tem um campo gravitacional 60 mil vezes mais fraco do que o da Terra. Apesar de existirem asteróides com características semelhantes que chegam à Terra, a velocidade e combustão quando entram na atmosfera e caem como meteoritos provoca a sua contaminação e impossibilita a análise detalhada que as amostras recolhidas agora possibilitam.

O feito mereceu os elogios da comunidade científica e pelos pares da astronomia, incluindo o administrador da agência espacial norte-Americana NASA, Jim Bridenstine. 

Jim Bridenstine afirmou que a agência norte-americana “está ansiosa para comparar dados e partilhar amostras com o Japão”, sem deixar de antecipar igual sucesso entre a comunidade norte-americana, lembrando a sua disponibilidade para uma colaboração com o Japão, quando também a sonda norte-americana Osiris “regressar da sua missão com amostras asteróide Bennu em 2023”.

Para conseguir recolher as amostras com sucesso, a Hayabusa 2 foi equipada com um laser para observar o campo gravitacional e as características da superfície, uma câmara para melhorar a observação do solo e um espectrómetro para estudar a composição do asteróide.