Com chocolate, ovos-moles ou simples, não há quem resista a uma tripa de Aveiro

Chamar-lhe bolacha americana mal cozida seria injusto. Ela ganhou vida própria, alcançando grande fama na região. O segredo está na massa, garante o criador das tripas, que continua a defender a receita original. Mas também há quem aposte em novas variantes.

Fotogaleria
José Oliveira e os filhos, Miguel e Joana
Fotogaleria
Tripas do Zé da Tripa
Fotogaleria
Zé da Tripa Nelson Garrido
Fotogaleria
Tripas do Zé da Tripa Nelson Garrido
Fotogaleria
Têzero Nelson Garrido
Fotogaleria
Paulo Pinheiro, Têzero
Sorvete
Fotogaleria
Têzero
Brownie de chocolate
Fotogaleria
Têzero Nelson Garrido

Há dias felizes! E aquele em que José Oliveira foi confrontado com o pedido de uma cliente para fazer uma bolacha americana mal cozida acabou por revelar-se um dia afortunado. Já lá vão mais de 30 anos. Ninguém diria, nessa altura, que o sabor ia pegar e conquistar tamanha fama, mas ela aí está para o comprovar: a tripa de Aveiro. Simples, com chocolate ou ovos-moles, o recheio (ou a falta dele) é à vontade do freguês. Tudo devidamente enrolado num “almofada” de massa, pouco cozida, claro está – como sugeriu a tal cliente -, e feita com farinha, açúcar, ovos e leite. “E depois leva uns pós de perlimpimpim”, garante o seu criador, em jeito de brincadeira.

A mais pura das verdades é que a receita tem “mais de 100 anos de história”, anuncia José Oliveira, o homem que passou a ser conhecido como Zé da Tripa e que teve acesso a esse saber fazer antigo por via do casamento. “Os meus sogros tinham um negócio de bolacha americana, na Costa Nova, e eu fiquei-lhes com a filha e com o segredo”, relata, mantendo o tom divertido. Acabou por lançar-se por conta própria, primeiro, com venda ambulante e, depois, com um quiosque fixo. “Era um carrinho e tinha de andar a virá-lo contra o vento. Aquilo era uma trabalheira”, recorda.

Decidiu, assim, fixar o posto de venda de bolacha americana, sem deixar a terra onde tudo começou para a família da sua mulher, Maria do Carmo. E à oferta de sempre (bolacha americana) foi juntando a proposta da tal “massa mal cozida”. “Os miúdos colocavam-na em cima de uma prata, no braço, e iam esticando e depenicando para comer e começaram a chamar-lhe tripa”, evoca. O formato evoluiu – hoje, tem uma forma certinha – e o produto final também. “Começou por ser simples, sem recheio. Só depois é que se começou a introduzir o chocolate e os ovos-moles”, aponta. “E na minha opinião deviam ser só estas as opções de recheio”, defende o criador da tripa.

PÚBLICO -
Foto
Têzero

Neste momento, são os seus filhos, Miguel e Joana, os “guardiões” do negócio (e do tal segredo) de família. Chegaram a equacionar outras carreiras - ele é licenciado em Design Industrial e ela ainda ingressou no curso de Química -, mas a vontade de tomar conta do saber fazer herdado dos avós maternos acabou por falar mais alto. O pai ainda se mantém por ali, bem activo (tem 68 anos), e ninguém o cala sempre que é preciso dizer “é assim que se dobra a tripa”. Mas são os filhos os grandes responsáveis por fazer crescer a marca Zé da Tripa e a estendê-la a outros pontos do país.

Já adquiriram duas carrinhas para levar a tripa até aos mais variados festivais nacionais, além de manterem os pontos de venda das praias da Costa Nova e Barra, em Ílhavo, e do Centro Comercial Glicínias, em Aveiro. Sempre com essa garantia: manter a receita de há muitos anos e continuar a apostar na simplicidade. “O princípio é esse, o de ter um produto final genuíno”, assevera Miguel Oliveira.

Não são crepes nem wafers, são tripas

Com tantos anos passados à volta da máquina de fazer bolacha americana, José Oliveira tem muitas histórias para contar, especialmente quando o tema é a confusão à volta do nome “tripa”. “Lembro-me de umas excursões que vinham do Norte e que estavam ali de volta do quiosque a achar estranho que uma tripa levasse chocolate ou ovos-moles”, recorda. Espanto ao qual os turistas estrangeiros não conseguiam também escapar. “Passavam ali, iam ao dicionário traduzir e depois riam-se. Mas passado um bocado estavam na fila”, nota. E no fim? “Gostavam, sim senhor.”

Os franceses têm tendência a chamar-lhes crepes, os ingleses confundem-nos com wafers, mas tripas são tripas. Tanto mais porque “a massa é muito diferente, o crepe é mais tipo pão”, garante o Zé da Tripa. Para quem ainda tem dúvidas, resta provar. No entender da dupla Miguel e Joana, o melhor, mesmo, é fazê-lo na origem – ou seja, na zona de Aveiro – ou numa das carrinhas que saem directamente de Aveiro para os grandes festivais do país. “As do Zé da Tripa, claro está”, argumenta.

PÚBLICO -
Foto
Têzero