Polémica com genro de Jerónimo. Partidos pressionam Bernardino Soares a esclarecer

Centristas também querem ter acesso a contratos feitos por ajuste directo.

Foto
Bernardino Soares está a ser pressionado para esclarecer contratação de geronro do líder do PCP Adriano Miranda

Depois do PS, do PSD e do BE, o CDS-PP vem também pedir esclarecimentos ao presidente da câmara de Loures sobre a contratação de um familiar do secretário-geral do PCP, Jerónimo de Sousa. Em causa está a contratação de serviços de manutenção a uma empresa unipessoal de Jorge Bernardino, por ajuste directo, por parte da autarquia comunista.

Em comunicado divulgado esta segunda-feira, a concelhia do CDS-PP de Loures, liderada por José Carlos Ramos, pede ao presidente da autarquia, Bernardino Soares, que venha “o mais rápido possível” fornecer elementos sobre a situação, nomeadamente “todos os contratos que foram adjudicados” a Jorge Bernardino (que é genro do líder do PCP) assim como as “respectivas notas justificativas”.

Os centristas querem saber se o presidente da câmara já solicitou aos serviços um relatório sobre os trabalhos realizados através dos ajustes directos e se há outras situações “idênticas”, uma vez que Bernardino Soares “entende tratar-se de uma situação perfeitamente normal aquela que é noticiada sobre estes ajustes directos”.

A contratação de Jorge Bernardino – noticiada pela TVI na passada quinta-feira – levou as estruturas locais dos partidos a reagir e a pedir mais elementos ao presidente da autarquia comunista.

A concelhia de Loures do PS enviou um "requerimento de urgência" a pedia cópias dos contratos em causa, dos respectivos cadernos de encargos financeiros, dos trabalhos efectuados e sobre quantas empresas foram consultadas para os serviços prestados.

Um pedido do mesmo género foi avançado pelos bloquistas. Pela voz de Fabian Figueiredo, o BE questiona ainda a razão pela qual a autarquia não recorreu aos funcionários da autarquia para os serviços em causa.

A concelhia do PSD vai mais longe e quer propor um grupo de trabalho na Assembleia Municipal para poder “fiscalizar, com carácter de urgência, não apenas este caso”, que os sociais-democratas esperam que seja “isolado”, mas “todas as adjudicações directas feitas, nos últimos anos, em todos os pelouros do município”.

Jerónimo de Sousa, confrontado pela TVI sobre o assunto, negou ter conhecimento de que o seu genro estivesse a prestar serviço à autarquia de Loures. Esta manhã, o secretário-geral comunista considerou que se trata de uma pressão "inaceitável" e "provocatória". "Eu poderia resumir numa frase: a minha vida fala por si. A infâmia, a insinuação, o boato são sempre fontes de alimento envenenadas", afirmou à margem de uma reunião, na sede nacional do PCP, com o Movimento Erradicar a Pobreza.

Depois de ter sido noticiada a contratação de Jorge Bernardino por valores que rondam os 150 mil euros, o PCP emitiu um comunicado em que acusa a estação televisiva de "manipulação", considerando que a reportagem é uma "abjecta peça de anticomunismo sustentada na mentira, na calúnia e na difamação".