Science4you desiste de entrar na bolsa

A empresa de brinquedos científicos é liderada por Miguel Pina Martins.

Foto
Daniel Rocha

A Science4you anunciou esta quarta-feira que abandonou a estratégia de dispersar parte do seu capital em bolsa, e que as ordens de compra feitas até aqui “poderão ser revogadas até ao termo do período de aceitação da oferta”, marcado para dia 1 de Fevereiro.

“Considerando que na presente data não está verificada a condição a que a oferta se encontra sujeita, a sociedade decidiu não formalizar o contrato de liquidez a que é feita referência na adenda ao prospecto da oferta aprovada em 14 de Dezembro de 2018”, diz a empresa de brinquedos presidida por Miguel Pina Martins (que é também seu fundador) num curto comunicado disponibilizado através do regulador do mercado de capitais, a CMVM. O anúncio surge 12 dias antes da data limite para a revogação das ordens de compra.

A estratégia da empresa passava por arrecadar 15 milhões com a dispersão de 44,1% do capital (entre novas acções e títulos existentes) na Euronext Growth (orientada para as PME, e situada entre a Acess e a Euronext). De acordo com o prospecto da operação, o objectivo mínimo era a colocação de 2.040.817 acções a 2,45 euros, com um encaixe de cinco milhões.

A oferta arrancou a 28 de Novembro, prevendo-se então a sua finalização a 14 de Dezembro, num contexto de turbulência nos mercados. Nesse mesmo dia, a empresa apresentou uma adenda ao prospecto da oferta pública de venda (OPV), prolongando o processo em cerca de um mês e meio de modo a estabelecer um contrato de liquidez com um intermediário financeiro (market maker) e a tornar as acções mais atractivas junto dos investidores. Conforme já noticiou o PÚBLICO, de acordo com fontes do mercado sem esta estratégia a operação teria mesmo ficado pelo caminho nesse mesmo mês, por falta de procura. 

Em declarações por escrito ao PÚBLICO em Dezembro, Miguel Pina Martins afirmou que a opção pelo contrato de liquidez surgiu devido aos “comentários de investidores relativamente aos receios com a liquidez do título”. “Temos indicadores positivos e acreditamos, até ao último dia, na estabilização do mercado e no sucesso da nossa operação”, afirmou então o empresário. “Obviamente que não somos excepção e a volatilidade das bolsas é bastante relevante, sendo que o novo timing vai permitir-nos ganhar tempo e ajudar a uma maior estabilização do mercado e das bolsas”, defendeu Miguel Pina Martins.

Ir à bolsa para crescer

A entrada em bolsa, segundo a própria Science4you, serviria para “dotar a empresa de uma estrutura de financiamento mais diversificada, sobretudo ao nível do seu capital, adequada à continuação da sua expansão” e para criar “valor para os seus accionistas”.

Há pouco mais de três anos, em Setembro de 2015, a empresa realizou um aumento de capital de sete milhões de euros, com mudanças na estrutura accionista que envolveram a entrada do grupo Millennium BCP. Antes dessa operação, a Science4you era detida a 49% pela Portugal Ventures e a 30% por Miguel Pina Martins. Outros 21% estavam distribuídos por pequenos accionistas. O volume de vendas da Science4you é superior a 20 milhões de euros, com uma forte aposta nos mercados externos (a empresa exporta “regularmente para mais de 60 países”).

Pouco antes da Science4you, já a Sonae MC e a Vista Alegre tinham falhado as suas intenções de dispersar capital em bolsa, o que colocou interrogações sobre a viabilidade da estratégia da empresa liderada por Migue Pina Martins. Da mesma forma, muitas outras operações falharam a nível internacional.