Foto
Porto

Um quarto, 250 euros: a odisseia de uma jornalista na pele de estudante

O desafio: encontrar um quarto no Porto para arrendar por 250 euros. Missão impossível? Fomos estudante por dois dias e, muitos telefonemas, senhorios e visitas depois, ainda não temos nova morada.

Combinámos às 11h, mas à hora marcada ninguém apareceu para abrir a porta. Esperava um homem que, depois de um telefonema rápido, acordou mostrar-me um quarto – ou antes, uma cama num dos quatro quartos partilhados que estava a arrendar. No apartamento, viveriam 11 estudantes. Por pessoa, pedia-se uma renda mensal de 230 euros.

Volto a tocar à campainha. Do apartamento no último andar do prédio, muito próximo do cemitério de Pedrouços, na Maia, volta a não chegar qualquer resposta. Um morador, que se esforçava por parecer indiferente enquanto remexia na caixa de correio, pergunta, antes de entrar de vez no edifício: “Então, não está ninguém em casa?”

Explico-lhe o que me trouxe ali: era estudante e queria arrendar um dos quartos no terceiro piso. O sorriso de boas-vindas fecha-se com a porta. “Eu moro no apartamento ao lado. Não vai querer ir para esse”, atira, baixinho. Abre-me a porta um dos estudantes que ali vivem desde o início de Outubro. O jovem inscreveu-se num mestrado num instituto a 20 minutos a pé dali, mas devido à dificuldade em encontrar alojamentos a preços acessíveis equacionou até mudar-se para Vila Nova de Gaia. “Não digas a ninguém, mas isto é provisório”, anuncia, ao mesmo tempo que nos deixa entrar.

O apartamento não é o mesmo que as fotografias no OLX publicitavam. A cozinha, antiga, tinha louça suja por todas as bancadas, a toalha da mesa estava no meio do chão, coberto de lixo. Foi nessa mesa que o estudante assinou o “contrato de arrendamento”. A senhoria – que diz gerir outras propriedades semelhantes “nas zonas do Marquês, Hospital de São João e Figueira da Foz” – ter-se-á recusado a passar um recibo (conforme já nos teria dito por telefone). Em vez disso, arrancou uma página do caderno de um outro inquilino que tinha estado na mesa a estudar, pegou na caneta e escreveu: “Alugo por 230 euros”. Entregou-lhe o pedaço de papel. “Pronto, assina então, disse-me.”

O quarto dele, garantiu, “é o melhor da casa”. É difícil de acreditar: além das duas camas, dispostas uma em frente à outra, resta apenas “um pequeno espaço para arrumação, que mais nenhum dos outros tem”. Uma das paredes foi ali posta para dividir a sala e conseguir assim ter mais dois quartos num apartamento T2 — o outro, também para duas pessoas, não tem janelas. Para uma capacidade máxima de 11 pessoas, há duas casas de banho. Uma delas reservada para os quatro habitantes do quarto onde foram postos dois beliches.

Dentro do quarto, com as roupas ainda todas dentro da mala, admite: “Isto é o degredo. Não te aconselho. Eu não queria vir para aqui. Acho que não vou aguentar nem até ao final do mês, mas tinha de encontrar um sítio rapidamente e 230 euros por mês é diferente de 400 ou 500 euros.”

Meia hora antes visitámos um desses quartos: 405 euros para arrendar um quarto individual num T3 de 90 metros quadrados (os outros dois custavam 425 e 450). Um casal jovem, ele inglês, ela portuguesa, compraram o apartamento no Bonfim, a 800 metros do Campo 24 de Agosto, há três meses.

O mobiliário por estrear e as paredes pintadas de fresco contrastam com o resto do edifício. Enquanto subimos as escadas (o prédio não tem elevador) diz-me que um dos quartos já está arrendado por uma estudante. Roda a chave e entra, sem bater à porta. Lá dentro, a estudante de psicologia e os três familiares que a ajudavam a instalar-se, espreitam, surpreendidos. Não esperavam a visita e queixam-se da sanita, a única na casa, não estar a funcionar. Pergunto-lhe se não achou o preço muito elevado. A resposta: “É a minha segunda opção. Estive num a 300 euros, mas os quartos das raparigas não tinham fechadura, só o do rapaz.”

O senhorio corta a conversa. “Temos três quartos, assumo que vás para o mais barato. A maior parte das pessoas iria”, ri-se. Apesar de espaçoso e equipado com uma outra cama para visitas, tem “um problema”, avisa. Uma porta de vidro, ainda sem cortinas, que abre para a marquise, “um espaço público”.

À saída, o senhorio revela estar “com falta de interessados”. “Posso perguntar como está o mercado? Quer dizer, eu sei que somos caros. Mas recheámos isto com coisas boas”, justifica-se. “Achas que vamos ter dificuldades?”

“Utilização intensiva” do quarto? “Não percebo”

O desafio era encontrar um quarto para estudantes a menos de 250 euros por mês, no Porto. Depois do arranque do ano lectivo, as opções escasseiam. Dentro do orçamento estipulado entram propostas facilmente recusáveis como um quarto “sem janelas exteriores, mas com uma janela interior, voltada para a sala” (próximo do metro de Salgueiros). Ou um apartamento na zona da Sé em que o segundo andar, onde está a cozinha e a sala, pode ser ocupado por até quatro turistas — “uma nova experiência” do senhorio.

PÚBLICO -
Foto
Anúncio retirado de um grupo de arrendamento de quartos para estudantes, no Facebook

A maior parte, são, no entanto, cubículos improvisados em casas com mais de três quartos (alguns partilhados ou para casais), onde despesas como água e luz quase nunca estão incluídas. “Se passo recibo? Talvez, mas não vai ser o mesmo preço, como deve imaginar…”

Há diversos anúncios em plataformas como o Bquarto, Custo Justo ou OLX — ficou de fora a Uniplaces, uma vez que não permite visitas, não dá a morada exacta nem o contacto com o proprietário antes de se avançar dinheiro —, onde se “dá preferência a pessoas vegetarianas ou veganas”. Onde não se “permite a entrada de visitantes” (a não ser que se pague mais 20 euros por noite). Ou a “utilização intensiva do quarto”. Isto é, “não queremos alguém que fique permanentemente dentro do quarto, percebe?” Não. “Teria de ir a casa durante algumas das férias lectivas ou dos fins-de-semana, uma vez que a filha da proprietária poderá usufruir do quarto (a 300 euros) nessas alturas”. As minhas “coisas”, explica-me, “podiam ficar lá”.

PÚBLICO -
Foto
Anúncio retirado de um grupo de arrendamento de quartos para estudantes, no Facebook

Um dos anúncios mais caricatos divulga um quarto ao Hospital de São João (350 euros) que só pode ser arrendado por “um rapaz estudante” — excluindo “estrangeiro/Erasmus” ou “das ilhas”. Quando pedi a um colega de São Miguel que ligasse para o número disponibilizado, a interpelação chegou mal denotou o sotaque: “Desculpe, mas é açoriano? Não percebo por que me está a fazer perder tempo.” Disse que não “tinha de se justificar”, que se recusava a aceitar estudantes madeirenses ou açorianos “por razões pessoais”.

Tive dois dias para encontrar um quarto. É um processo longo, desnecessariamente frustrante. A maior parte dos telefonemas ficaram sem resposta. Mas achei ter um vencedor: um quarto com casa de banho privada num T4, em Francos (250). O único senão: o senhorio “só pode passar recibo a três das quatro pessoas porque é, na verdade, um T3”. Quando perguntei como decidia quem ficava de fora, desligou a chamada.