Marcelo quer Estado e universidades a trabalhar para "enfrentar problema de alojamento"

Presidente da República reiterou estar confiante sobre a aprovação do Orçamento de Estado para 2019.

Marcelo Rebelo de Sousa esteve na cerimónia do centenário da Cruz de Malta
Foto
Marcelo Rebelo de Sousa esteve na cerimónia do centenário da Cruz de Malta LUSA/MANUEL FERNANDO ARAÙJO

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, afirmou nesta terça-feira que "era bom" que o Estado, universidades e autarquias "trabalhassem para enfrentar o problema" da falta e preço do alojamento para os estudantes do Ensino Superior.

"Essa matéria de alojamento de estudante será uma das matérias a incluir no Orçamento do Estado [para 2019]. Eu não queria para já dizer senão o que tenho dito em geral, que era bom que o Estado e também as universidades e também as autarquias trabalhassem para enfrentar esse problema, sobretudo nos grandes centros urbanos e metropolitanos", afirmou o chefe de Estado, na Maia, à margem de uma cerimónia que assinalou os 100 anos da Ordem de Malta.

Marcelo Rebelo de Sousa reiterou ainda estar confiante sobre a aprovação do Orçamento de Estado para 2019: "Estou convencido que é claro na sociedade portuguesa de que não haverá nenhuma crise política, nem eleições antecipadas, ou seja, que o Orçamento de Estado será votado dentro do devido prazo", disse.

Até porque, alertou, "não é bom para Portugal haver qualquer crise política que implicaria eleições antecipadas", "Isso não é bom para Portugal, isso não vai acontecer", reiterou.

Sobre o conteúdo do documento que o Governo irá entregar na Assembleia da República em Outubro, o Presidente da República não quis fazer comentários.

"Eu sobre matérias do Orçamento do Estado, desde o momento em que arranca a preparação até que me chega às minhas mãos, não faço comentários. Vou esperar que seja votado na votação final global, já está marcada para o final de Novembro e, depois, me chegue às mãos", referiu.

Outra das matérias que o chefe de Estado não quis comentar, argumentando que estão sob a alçada do Orçamento do Estado, foi a demissão de médicos nos hospitais portugueses e a qualidade da assistência prestada no Serviço Nacional de Saúde.

"Esse é outro tema que tem muito a ver com OE [Orçamento do Estado]. Vamos ver aquilo que no OE será afectado à saúde. Quando é que é afectado à saúde e como é que será afectado. Por outro lado, vai haver um grande debate em Portugal sobre a lei de bases da saúde. Acho que vai ser um grande debate no final deste ano e no ano que vem", disse.